20/03/2014 - Investigações aponta para 29 envolvidos

A Polícia Judiciária Civil identificou que a quadrilha desarticulada nesta quarta-feira (19) na operação “Clone” é composta por pelo menos 29 pessoas, sendo que 3 deles comandavam o esquema de roubo, furto, adulteração e clonagem de veículos de dentro de presídios de Cuiabá. Durante as investigações da operação que duraram 6 meses, foram presas 12 pessoas e outras 14 serão indiciadas pelos crimes de roubo, falsificação de documento público, adulteração de sinal identificador de veículo, quadrilha ou bando e associação ou bando.

Segundo o delegado Wagner Bassi que coordenou a operação com o delagado titular da Delegacia Especializada de Roubus e Furtos (Derf), Francisco Kunze, dos 14 membros, 5 serão presos por crimes flagrados durante as buscas.

Conforme os delegados, entre os envolvidos estão um servidor do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) e um servidor da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz), que faziam todo o trabalho de pesquisa para localizar veículos com as mesmas características de carros roubados para serem clonados. Bassi explicou que a senha do servidores permitiam acesso a informações de taxas e dados cadastrais do Detran, que eram repassados a quadrilha. Para desarticular a quadrilha participaram da operação 10 delegados, 30 investigadores, 4 escrivães e 60 policiais militares. 

Na operação realizada em conjunto com a Polícia Militar, por meio do Comando Regional II, foram presas cinco pessoas em flagrante, entre elas um analista da Sefaz, encontrado com um revólver calibre 38 e 1 documento de registro de veículo em branco para ser falsificado. Ele foi autuado por crime de receptação e porte ilegal de arma de fogo, cuja pena dos crimes juntos não permite aplicação de fiança na delegacia.

Em um dos pontos, na casa de um pessoa investigada, a Polícia apreendeu documentos como CRLV em branco e outros falsificados, cédulas de RG em branco, CNH falsa, além de 2 notebook, 1 computador, e 2 impressoras matriciais semelhante a usada pelo Detran, sendo uma colorida onde era impresso a chancela da assinatura do documento. Os equipamentos eram usados para adulteração e falsificação de documentos.
O delegado disse que o resultado da operação foi positivo e agora vai trabalhar para pedir a prisão de todos os envolvidos.

Durante as investigações, a Polícia Civil identificou mudança no destino dos veículos subtraídos, que historicamente a maioria dos veículos roubados/furtados eram levados para países vizinhos, como o Paraguai e a Bolívia, onde eram trocados por entorpecentes, sendo este, em seguida, introduzido no Brasil alimentando assim o comércio ilícito de entorpecentes. “Todavia, as investigações apontaram que os veículos, em grande parte, são ‘clonados’ e permanecem no Brasil”, finalizou o delegado Wagner Bassi.
A Justiça não concedeu ordem de prisão para os suspeitos, mas todos serão indiciados no inquérito policial.

Quando o veículo era roubado a quadrilha entrava em contato com o articulador do esquema e informava os dados do veículo roubado. Em seguida o articulador, com informações privilegiadas do Detran e da Sefaz, obtinha dados de veículos idênticos e com situação de regular. Na sequência, o articulador entrava em contato com despachantes que providenciavam documentos dos veículos, através de falsificação ou segunda via junto ao Detran.

O articulador também providenciava a adulteração do chassi com criminosos especializados e encomendava placas do veículo lícito e uma vez instalado, o veículo era vendido como se fosse regular ou “finan” - quando o veículo é vendido como se tivesse apenas restrição financeira e o comprador circula livremente. (Com assessoria)

 

Nayana Bricat

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário