20/04/2011 - 20h:39 Operação expõe ‘colapso’ no sistema prisional de MT

Operação expõe ‘colapso’ no sistema prisional de MT

A Operação Ergástulo desencadeada pelo Grupo de Atuação e Combate ao Crime Organizado (Gaeco) na manhã desta quarta-feira (20), trouxe a tona algo que, de certa forma, já vinha sendo divulgado pela imprensa, a grave fragilidade do sistema prisional de Mato Groso. De acordo com os promotores do Ministério Público Estadual (MPE) se não forem tomadas medidas imediatas na tentativa de solucionar a problemática o Estado corre sério entrar em colapso.
“O governador precisa reunir o secretariado, autoridades policiais, Judiciário para fortalecer, aparelhar, treinar novo efetivo e construir novos presídios, sob pena de o Estado perder o controle da situação”, afirmou o procurador de Justiça Paulo Prado, coordenador do Gaeco.
O esquema que fomentava a entrada de drogas, armas, celulares e bebidas na Penitenciária Central do Estado, Pascoal Ramos, resultou na prisão de três policiais militares, três agentes prisionais e traficantes, que também serão investigados pelo possível envolvimento em fugas de detentos.
O promotor do MPE, Sérgio Silva da Costa, responsável pelas investigações, ressaltou que a prisão dos servidores públicos não significa que todo o sistema prisional está contaminado, mas revela uma grave fragilidade.
“Não foi vislumbrada a participação da direção do presídio, que, inclusive auxiliou nos trabalhos de investigação. O que foi constatado de fato é a incapacidade de visualizar com precisão a conduta dos agentes”, argumentou Sérgio.
Recentemente o próprio secretário de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), Paulo Lessa, admitiu que o sistema prisional do Estado ‘beira o caos’ e que o pouco efetivo e a corrupção são os principais facilitadores para a entrada de drogas e celulares nos presídios.

 

Da Redação - Julia Munhoz