20/05/2016 - Com rebanho estimado em 29 milhões de cabeças, Estado se prepara para exportar carne para os EUA

20/05/2016 - Com rebanho estimado em 29 milhões de cabeças, Estado se prepara para exportar carne para os EUA

 Buscando conhecer e estreitar relações com empresas compradoras da proteína animal, Mato Grosso se prepara para iniciar a exportação para os Estados Unidos, cujo potencial de consumo chega a 43 quilos por habitante/ano. Para isso, a comitiva do governo, que cumpre agenda nos Estados Unidos em busca de novos investidores, desembarcou nesta quinta-feira (19) em North Baltimore, no estado de Ohio, onde conheceu a planta de uma das unidades da maior empresa norte-americana de hambúrgueres, a Keystone. 

A visita teve por objetivo entender como se dá o processamento da carne até sua fase final de produção, uma vez que o Brasil está atualmente em processo de autorização de exportação do produto. Além disso, o Estado, que possui um rebanho estimado em 29 milhões de cabeças de gado, trabalha para ser o primeiro a vender carne para os norte-americanos. O número excede o total da Europa e com o Imac, a carne mato-grossense passará a ter certificação e rastreabilidade e, portanto, a ter condições de competitividade no mercado. 

De acordo com o governador Pedro Taques, após a criação do Instituto Mato-grossense da Carne (Imac), a estratégia é agregar valor à nossa produção. “Além de vendermos soja e milho, queremos vender carne para mercados consumidores importantes como os Estados Unidos. Segundos os dados do Instituto Nacional de Carnes do Uruguai (Inac), enquanto no Brasil o consumo de carne bovina chega a 36 quilos por ano, nos Estados Unidos esse número salta para 43 quilos/ano”, disse.

Atualmente, a empresa Keystone importa carne da Austrália e da Nova Zelândia e abastece mais de 3.500 restaurantes do território americano, inclusive a maior rede de fast food do mundo, o Mac Donalds. A capacidade total de produção de todas as unidades é de 600 toneladas por dia.A unidade de Ohio, cuja planta foi fundada em 1974, conta com a colaboração de 208 funcionários. São mais de 40 anos de experiência.

O secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico de Mato Grosso, Seneri Paludo, explica que, embora os Estados Unidos possuam atualmente mais de 90 milhões de cabeças de gado, por questões mercadológicas a importação da carne para produção de hambúrgueres se apresenta como a melhor opção para os empresários.

A Secretaria de Estado de Comunicação (Secom) informou que, além de Taques e Seneri, também compõem a comitiva de Mato Grosso representantes do setor produtivo, como o diretor executivo da Associação dos Produtores de Algodão (Ampa), Alexandre de Marco; o diretor da Famato, Nelson Picolli; e o produtor Odílio Balbinotti.

 

 

 

Da Redação - André Garcia Santana

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário