20/06/2012 - Marãiwatsédé de luto: mais uma criança falece por desnutrição

Enquanto lideranças Xavante pressionam na Rio+20 por saída imediata de invasores que devastam Marãiwatsédé, mais uma criança falece por desnutrição na aldeia, em Mato Grosso.

Rio de Janeiro – Foi com pesar que os Xavante de Marãiwatsédé na Rio+20 receberam a notícia de que um bebê de 10 meses faleceu por desnutrição na aldeia, no nordeste do Mato Grosso. Esta é a segunda morte em dois meses. As crianças, junto com os idosos, são os mais vulneráveis às deficiências na atenção à saúde indígena.

Há anos o povo Xavante de Marãiwatsédé reivindica melhorias na assistência dos serviços públicos. Em maio, eles denunciaram ao Ministério Público Federal em Mato Grosso que as unidades de saúde dos municípios mais próximos a aldeia, como São Félix do Araguaia, Alto Boa Vista, Bom Jesus do Araguaia, Ribeirão Cascalheira, Canarana e Água Boa frequentemente boicotam o atendimento aos indígenas de Marãiwatsédé. “As crianças sofrem com diarreia, vômito e pneumonia porque consumimos água de córregos poluídos”, reclama o cacique Damião Paridzané.

Em dezembro do ano passado, os Xavante já tinham procurado o MPF para denunciar que aviões despejavam diariamente agrotóxicos nas lavouras que existem no interior da terra indígena e nas proximidades da aldeia, provocando doenças respiratórias em boa parte da comunidade nos dias seguintes...


Das cerca de 200 crianças de zero a cinco anos que vivem hoje em Marãiwatsédé, mais da metade sofre de desnutrição. Esta é uma triste consequência da gravíssima situação de insegurança alimentar, vivida pelo povo Xavante. “Quando um paciente sai da aldeia, não tem apoio para alimentação também. Isso não acontece só em Marãiwatsédé. É uma situação de abandono dos povos indígenas. Quando isso vai melhorar?”

Por causa do seu território invadido, os indígenas são ameaçados e impedidos de usufruir dos poucos recursos florestais restantes nos 165 mil hectares homologados pela União desde 1988. Por outro lado, a devastação da área fez com que a caça desaparecesse e que o recurso pesqueiro diminuísse. Ocupando uma área devastada pela ocupação ilegal, o cultivo tradicional fica muito prejudicado.

Marãiwatsédé é conhecida como a terra indígena mais devastada da Amazônia brasileira em decorrência da invasão de latifundiários, iniciada durante a Rio92, logo após o compromisso verbal da empresa italiana Agip Petroli de devolução do território aos seus verdadeiros e legítimos donos, retirados à força de lá em 1966. Na época, funcionários da própria Agip, fazendeiros e políticos locais orquestraram a invasão e o leilão de terras em Marãiwatsédé.

 

Escrito por Blog Marãiwatsédé - A terra é do Xavante via SINA   

Comentários

Data: 24/06/2012

De: Brasileiro

Assunto: Protesto

É hora de tomarmos frente deste problema, ficamos espererando e esperando... protestar, ir onde tiver de ir, mostrar as situações para o mundo que se diz preocupada... temos terras para todos, espaço e impostos para cobrir tudo isto. Precisamos saber para onde eles vão ou nós vamos. Não podemos conviver pacificamente caçando e pescando e produzindo soja e gado. Então, gosto de indio, gosto dizer que sou brasileiro e que preservamos as tradições dos indios... o que queremos, o que temos, o que vamos ter???

Data: 20/06/2012

De: Rogério

Assunto: DISTRITO ESTRELA DO ARAGUAIA

É uma pena que mais uma criança da etnia Xavante more com desnutrição, porém, gostaria de colacar aqui para os amigos que acompanham este site algumas considerações minhas:
1º - a morte de mais uma criança da etnia Xavante não é, infelismente, novidade. Em todas as aldeias indígenas dessa etnia tem ocorrido com frequência o falecimento de crianças com desnutrição, não sendo caso isolado desse povo que esta próximo ao Distrito Estrela do Araguaia, cuja denominação se da Marãiwatsédé. Em todas as aldeias ao londo dos municípios de Primavera do Leste, estendendo por General Carneiro, Barra do Garças, Campinápolis, Nova Xavantina, Água Boa, Riberião Casalheira, Alto Boa Vista e São Félix tem acontecido este fato, por total falta de atendimento por parte da FUNASA/CESAI, bem como pelos próprios costumes indígenas na criação de suas crianças.
2º - Os córregos da região onde o povo Xavante da Marãiwatsédé esta, são córregos que não passam por nenhuma cidade, inclusive tendo suas nascentes próximas as aldeias, o que falta nesse caso é atendimento médico e higiene.
3º - Colacar a culpa nos agrotóxicos usados pelos agricultores da região é pura especulação sem nenhuma base de estudo, sendo até uma irresponsábilidade por parte do escritor desta matéria, que parece tendencioso as questões fundiárias que estão sendo discutidas na justiça.
4º - Colacar aqui a morte de crianças Xavantes como sendo causa da disputa pela terra é cruel e desumano com os milhares de brasileiros que vivem no Distrito Estrela do Araguaia. No local, não há invasores, grileiros ou qualquer outro tipo de adgetivos que queira se colacar nos ocupantes não índios daquela área. Ali estão cidadãos, produtores rurais que ajudam a economia deste país, e diga-se de passagem, todos com suas propriedades escrituradas.
Os indios que ali estão, vivem em cerca de 20 mil hectares, terra o suficiente para viver o triplo de brasileiros não índios; não é por conta da disputa fundiária que crianças estão morrendo, e sim por causa das políticas governamentais equivocadas. Todos nós sabemos que as ONGs e a FUNASA é hoje um sumidouro de dinheiro, e que os recursos não chegam até esses "brasileiros" (índios - sim, os índios também são brasieliros) que tanto necessitam.
Então fica aqui minha indignação contra essa reportagem que é tendenciosa a causa de ONGs e FUNAI, não pensando no bem comum que são os milhares de brasileiros (índios e não índios) que ali vivem...Acredito que a cobrança deve ser feita, porém, que se cobre ações positivas por parte do governo, para que de melhores condições de saúde e alimentação a este povo, e não coloque aqui os problemas fundiários que estão sendo discutidos na justiça como causa de todas as mazelas do povo indígena.

Data: 20/06/2012

De: O ELEITOR

Assunto: Re:DISTRITO ESTRELA DO ARAGUAIA

Caro amigo rogerio, felicito seu cometário pela lucidez ao esclarecer como é tendenciosa essa matéria, e acima de tudo oportunista nesse momento da Rio+20, sei que oque se discute por lá é serio, mas é mais politico do que realmente oque deseja por em pratica, morador a anos nessa região e o papo sempre é o mesmo antes se ganhava dinheiro público em favor dos posseiros, agora por ações desatradas desse governo exergamos verdadeiras favelas rurais e pessoas mendingando verbas públicas no INCRA, ta ai o modelo PDS Bordolandia uma vergonha, assistido direto do gabinete da presidencia era pra ser modelo no pais, mas vemos como se encontra, e fianlisando não vejo nenhuma bandeira para o quanto de crianças brasileiras que morrem a mingua em hospitais de todo pais..parabens pela sua lucidez e tão sucinto ao comentar mais um deboche usando ops pobres brasileiros indigenas

Data: 20/06/2012

De: Branco indignado

Assunto: povos indiginas

fé meu povo logo logo a justiça do homem vai faz justiça e a divina também

Novo comentário