20/07/2015 - Subsolo da Igreja Matriz "guarda" figuras históricas do Estado

No subterrâneo da Catedral Metropolitana Basílica do Senhor Bom Jesus de Cuiabá, no Centro Histórico, na posição da torre da igreja onde se encontra o relógio, estão "guardadas" figuras históricas que deram importantes contribuições para Mato Grosso.

A cripta da Igreja Matriz abriga restos mortais de oito personalidades que compõem a criação e o desenvolvimento do Estado.

O lugar iluminado, refrigerado, com várias cadeiras e um altar, onde são realizadas pequenas missas e ações da igreja, em nada lembra um cemitério. O gesso perfeitamente alinhado da lateral direita traz rostos conhecidos da cultura mato-grossense. 

Aberto ao público para visitação, o local guarda o fundador de Cuiabá, Pascoal Moreira Cabral, o fundador da Matriz, Miguel Sutil, e figuras importantes da Igreja, como dom Francisco de Aquino Corrêa e dom Orlando Chaves.

A cripta é uma prática comum nas principais catedrais de todo o país. Em Cuiabá, ela possui quase 200 anos e foi fundada em período próximo à criação da Catedral Metropolitana.

O número de visitas mensais varia entre 300 e 500 pessoas, conforme o padre Mauro Sérgio Amorim, um dos responsáveis pela cripta. Grande parte dos visitantes é de alunos de escolas da Capital, que fazem visitas guiadas pelos professores, e alguns poucos turistas.

“A visitação é aberta ao público, mas, geralmente, as escolas são as que mais frequentam a cripta. Poderia ser mais visitada, porque faz parte da história de Cuiabá”, disse.

O local funciona de segunda-feira a sexta-feira, das 6h30, quando tem início a primeira missa da Matriz, às 18h30, quando começa a última solenidade do dia.

“O objetivo principal da cripta é sepultar os bispos do Estado e alguns bandeirantes que foram importantes na história de Mato Grosso”, contou o padre.

Conforme o sacerdote, somente bispos poderão ser sepultados no local, caso os familiares autorizem a ação. As figuras que encontram-se na cripta foram encaminhadas ao local após terem sido enterradas em cemitérios comuns.

“Os bandeirantes e alguns bispos vieram depois de terem sido enterrados em outros lugares. Atualmente, caso a família concorde, temos espaço preparado para sepultar diretamente os bispos que tiveram papel importante na Capital e vierem a falecer”, explicou.

Sem medo de assombrações

Fundada em 1722, a Catedral Metropolitana Basílica do Senhor Bom Jesus de Cuiabá é considerada a principal igreja católica do Estado.

A primeira personalidade a fazer parte da cripta foi o fundador de Cuiabá, Pascoal Moreira Cabral. O último foi dom Orlando Chaves.



Os restos mortais de figuras históricas costumam despertar o medo de alguns visitantes, conforme relatou ao MidiaNews o guarda da Igreja, Claudecir Aparecido, que afirma nunca ter vivenciado nenhuma experiência sobrenatural.

“Algumas pessoas dizem que ouviram barulhos, portas que se fecharam sozinhas, mas eu nunca presenciei nada”, disse.

Aparecido reforçou que os visitantes não devem temer que haja algo sobre-humano na cripta.

“As pessoas que partiram não assombram. Somente os vivos podem fazer mal aos outros”, justificou.

Pouca informação

O historiador Aníbal Alencar criticou o fato de não haver mais instruções aos visitantes que se propõem a conhecer o local. 

Isso porque, na cripta, as únicas informações que constam no local sobre as oito figuras que ali estão sepultadas são nome, data de nascimento e data de morte.

Não há nenhum tipo de instrução histórica sobre a vida e relevância de cada uma das personalidades.

“Acredito que precisaria haver uma biografia das personalidades que estão enterradas ali, para que os visitantes possam entender melhor a história de cada um”, disse.

Alencar disse que irá buscar, junto ao Instituto Histórico de Mato Grosso, para que a cripta possa oferecer informações aos visitantes que vão ao local.

“Irei solicitar ao Instituto Histórico para fazer um levantamento sobre a história das personalidades da cripta. É importante esclarecer sobre cada um, senão fica algo sucinto, sem informações”, afirmou.

Personalidades

As oito personalidades que estão enterradas na cripta são Pascoal Moreira Cabral, Miguel Sutil, dom Francisco de Aquino Corrêa, dom Orlando Chaves, dom José Antônio dos Reis, dom Carlos Luiz D’Amour, dom Luiz de Castro Pereira e frei José Maria de Macerata.

"A partir de então, ele fundou a Igreja Matriz, com o auxílio dos padres. A primeira construção foi feita de pau a pique", contou a historiadora.A historiadora Terezinha de Jesus explicou a relevância das três figuras da cripta que considera as principais para a história de Mato Grosso.

“Os outros bispos são relevantes para a história da igreja, para a construção da religiosidade no Estado”, explicou.

Abaixo, confira mais sobre a história de três das figuras que compõem a cripta de Mato Grosso:

Pascoal Moreira Cabral 

Era um bandeirante, considerado o fundador de Cuiabá. De acordo com a historiadora, a região da Capital mato-grossense costumava ser visitada por bandeirantes, que vinham em busca de índios, para escravizá-los. Moreira Cabral foi o responsável pela fundação do primeiro arraial da região, a Forquilha, criada após intensas lutas travadas com índios.

Moreira Cabral é considerado o fundador de Cuiabá por ter notificado a capitania de São Paulo, após a criação do povoado, que havia sido encontrado muito ouro na região, na margem do Rio Coxipó.

"Caso não houvesse o comunicado oficial, a caravana de Moreira Cabral seria considerada contrabandista, pelo fato de não ter notificado a Coroa Portuguesa, então proprietária das terras", disse.


Dom Francisco Aquino Corrêa

Tornou-se bispo aos 22 anos, sendo considerado o mais jovem do mundo. Ele formou-se em filosofia e chegou a estudar na Itália. 

Segundo a historiadora, Corrêa foi uma figura importante durante o conflito entre Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, que disputavam uma batalha ferrenha. Além dos conflitos regionais, ele enfrentou o período da 1ª Guerra Mundial, durante caos político e econômico.

Para tentar reverter a situação dos conflitos no Estado, sem eleições, Dom Francisco foi escolhido para governar Mato Grosso. Seu governo era focado na educação, conforme Terezinha.

"Ele trouxe a luz elétrica para a região, assim como o primeiro carro do Estado. Colaborou com a criação do brasão e do hino do Estado. Aquino Corrêa foi o primeiro mato-grossense a tornar-se imortal da Academia Brasileira de Letras e também fundou a Academia Mato-grossense de Letras", relembrou.

A ata sobre a criação de Cuiabá foi emitida pelo bandeirante em 8 de abril de 1719.

Miguel Sutil

Também também foi um bandeirante, que comandou a fundação da Igreja Matriz. Ele era proprietário de uma região com plantações de diversos itens, como mandioca e banana. Proprietário de escravos negros e indígenas, ele utilizava a mão de obra deles para encontrar pepitas de ouro. Durante um tempo, os moradores da região da Forquilha migraram para o arraial fundado pelo bandeirante.

Sutil reestruturou o garimpo na região e percebeu a necessidade da criação de uma igreja, que era item fundamental para a Coroa Portuguesa.

 

 

VINÍCIUS LEMOS 

DA REDAÇÃO 

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário