20/08/2013 - Família de PMs morta: manchas de sangue em quarto podem ter sido limpadas

O quarto em que dormiam Benedita Oliveira Bovo, de 65 anos, e a irmã dela, Bernadete Oliveira da Silva, de 55 anos, pode ter sido limpado após os tiros que mataram as duas. Testes feitos pela perícia com luminol — um reagente químico capaz de identificar manchas de sangue, mesmo que tenham sido removidas — mostraram que havia sangue limpado até no teto do cômodo e nas paredes. Essa e outras conclusões das cenas dos crimes, na Vila Brasilândia, há duas semanas, devem constar nos laudos do Instituto de Criminalística, que ficarão prontos nos próximos dias. As informações são da TV Record.

 

A filha de Benedita, a cabo da PM Andreia Bovo Pesseghini, e o marido dela, o sargento da Rota Luis Marcelo Pesseghini, também foram mortos, na sala de outra casa no mesmo terreno. O principal suspeito dos assassinatos, de acordo com a polícia é o filho do casal, Marcelo Pesseghini, de 13 anos, que teria se matado horas depois. No tênis do menino foram encontradas manchas de sangue visíveis, que podem ser dele, e também indícios de sangue que foi limpo. O material foi recolhido e deverá passar por exames de DNA para comprovar de quem era.

 

Um par de luvas que foi encontrado no carro da cabo Andreia também foi periciado. O resultado deu negativo para a presença de pólvora. Nas mãos de Marcelo e de toda a família também não havia resíduos, segundo a polícia.

 

Do R7

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário