20/09/2013 - Inaugurado por Dilma e Silval, novo terminal da ALL tem problemas e filas de caminhoneiros

Com direito à presença da presidente Dilma Rousseff, a ALL inaugurou nesta quinta-feira (19) seu terminal em Rondonópolis, no Sul de Mato Grosso. Para o Governo e a concessionária, foi dia de festa pois o Complexo Intermodal Rondonópolis (CIR), localizado na BR 163, a 28 km do centro da cidade, é tido como o maior da América Latina. Mas, para os caminhoneiros, que vão suar a camisa todos os dias nesta nova unidade, trata-se apenas de um problema que mudou de lugar.
 
Todas as dificuldades que a categoria vem enfrentando há anos no terminal da ALL de Alto Araguaia, na divisa de Mato Grosso com Goiás, já estão presentes também em Rondonópolis: filas enormes, poeira e falta de condições de higiene para quem espera pela descarga. 
 
Faz cerca de um mês que o terminal passou a operar e já houve protestos de caminhoneiros. “Foram paralisações espontâneas devido à demora na descarga e por causa das condições ambientais. Não tem água suficiente nos bebedouros, os banheiros não têm porta e o pátio é só poeira”, conta Luís Gonçalves da Costa, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transporte de Rondonópolis e Região (STTRR).
 
Outro problema sério, de acordo com ele, é que, a exemplo de Alto Araguaia, o agendamento não está funcionando em Rondonópolis. “Os caminhões ou ficam dias esperando nos pátios das fazendas, nos terminais dos embarcadores, ou na própria ALL”, conta o sindicalista. Para ele, se a situação já é complicada em setembro, a tendência é de se tornar caótica no pico da safra, em fevereiro e março.
 
Na semana passada, o sindicato fez um acordo com a concessionária para fechar um pátio alternativo em Rondonópolis, onde não havia a mínima condição para a espera. “No dia 2 de outubro, teremos reunião com o Ministério Público do Trabalho e com a Justiça do Trabalho para tratar dessas questões. Vamos aproveitar para realizar uma paralisação”, afirma.
 
A intenção inicial do sindicato era fazer uma grande manifestação nesta quinta-feira. Mas o sindicalista admite ter recuado a pedido da assessoria da presidente Dilma.
 
Cláudio Rigatti, diretor do Sindicato de Transportadoras do Estado de Mato Grosso (Sindmat), cobra que a ALL implante um sistema adequado de triagem para que o motorista possa se organizar e não gerar longas filas. “É preciso que os pátios destinados aos motoristas possuam estrutura adequada. Faz-se necessário o comprometimento de todos, da ALL e das tradings, para que tudo funcione bem. Caso contrário, o problema só irá ser transferido de um terminal para outro”, afirma.
 
Segundo nota divulgada para a imprensa, o terminal tem uma área total de 385,10 hectares (equivalente a 900 campos de futebol) e capacidade inicial de carregamento de 120 vagões graneleiros a cada 3,5 horas. “A ALL acredita na ferrovia como solução para a competitividade do país e tem orgulho de ser hoje o maior provedor logístico do Estado do Mato Grosso. Já conquistamos excelentes resultados operacionais com a entrega da primeira fase, e não temos dúvidas da contribuição do projeto para o escoamento de cargas para exportação”, afirma Alexandre Santoro, Presidente da ALL.
 
 
Nelson Bortolin | Revista Carga Pesada
 

Comentários

Data: 23/09/2013

De: Rogério

Assunto: Terminal

É bem a cara do PT, obras intermináveis, superfaturadas e quando saem do papel estão ultrapassadas....
Viva Dilma, Viva Lula, Viva o PT, e viva mais ainda os Eleitores inteligentes do meu Brasil......

Novo comentário