20/09/2014 - Com “linha leve”, candidatos focam em propostas no programa eleitoral

Após diversas farpas trocadas e uma enxurrada de representações na Justiça Eleitoral, os cinco candidatos ao Governo adotaram discurso mais leve e propositivo na propaganda eleitoral desta sexta (19). O horário político começou com o programa de José Marcondes, o Muvuca (PHS), polêmico por fazer constantes críticas ao principal adversário, senador Pedro Taques (PDT), que figura em primeiro lugar nas pesquisas de intenção de voto. No entanto, desta vez o humanista optou por usar seu tempo nos meios de comunicação para ressaltar o apoio que vem recebendo da presidenciável Marina Silva (PSB).

 

A equipe de marketing de Lúdio Cabral (PT) também preferiu “pegar leve” na inserção de hoje e começou o programa destacando os resultados da última pesquisa realizada pelo Instituto Mark, em parceria com o Rdnews, na qual aparece com 28,4%. “Lúdio vai vencer as eleições”, anuncia o locutor. Em seguida, o petista focou em suas propostas voltadas à segurança pública. Destacou que fortalecerá a Polícia Comunitária e ampliará o programa Rede Cidadã, criado para amparar pessoas em situação de risco social.

 

Lúdio diz que, seguindo os exemplos de Lula e da presidente Dilma Rousseff (PT), revolucionará a educação estadual. Da região do Chapéu do Sol, em Várzea Grande, o petista falou sobre a instalação do Parque Tecnológico, onde pretende reunir instituições como a UFMT, IFMT e Unemat para desenvolver estudos no campo da tecnologia.

 

Taques, por sua vez, começou o programa desmentindo suposto envolvimento na operação Ararath e apresentou as certidões que compravam que tanto ele quanto a esposa, Samira Martins, não são alvos da Polícia Federal. Nesta edição, o pedetista falou sobre seus compromissos com as mulheres e afirmou que construirá rede de apoio e programas sociais para mães e crianças carentes.

 

Outras propostas do candidato são a instalação do Hospital Materno Infantil de Cuiabá, criação do programa Mãe Mato-grossense e ampliação do Programa Saúde da Família (PSF). A ideia, de acordo com ele, é tratar as mulheres e seus filhos com mais dignidade e assistência social.

 

Já Janete Riva (PSD) começou sua fala afirmando que é candidata ao Governo porque atendeu “um chamado que veio do coração” e devido ao clamor de lideranças de todo o Estado. Mais uma vez, o programa enalteceu a trajetória política da social-democrata, que ocupou cargos como coordenadora da Sala da Mulher da Assembleia e secretária estadual de Cultura. “Janete pôs na cadeia quem fraudava projetos culturais”, disse o locutor, se referindo à operação da Polícia Civil que desmantelou esquema fraudulento na SEC.

 

Voltou a falar sobre o projeto Bolsa Família Estadual e disse que sua gestão será voltada à população. Além disso, explicou que se o beneficiário do Bolsa Família do governo federal recebe R$ 70, receberá mais R$ 70, totalizando R$ 140 em Mato Grosso. José Roberto (Psol) convidou, em seu breve programa, a população que está cansada do mesmo grupo político que se reveza no poder a votar nele para mudar o Estado.

 

 

Camila Cecílio

 

Comentários

Data: 21/09/2014

De: zezin ildo

Assunto: SENHOR 100%.....

GENTE AFALTA DE VERGONHA DAS PESSOAS SURPREENDE NÃO É MESMO?

TEM GENTE LÁ NA CONFRESA QUE TÁ DOIDA, DESESPERADA, EM PÂNICO PRA ELEGER O DALTINHO. PREOCUPANDO MAIS QUE O PROPRIO CANDIDATO, SERÁ PORQUE HEIN?

O ABSURDO DOS ABSURDOS EU VI HOJE DIZENDO QUE ESPERAM 30 MIL VOTOS NO ARAGUAIA (RISOS). MAIS AINDA, O CANDIDATO DISSE QUE NINGUEM FEZ MAIS PRO ARAGUAIA QUE ELE.

SÓ LEMBRANDO QUE ELE ERA SUPLENTE DA TÉTÉ BEZERRA, FOI EXPULSO DO PMDB E ASSUMIU VAGA EM OUTUBRO DO ANO PASSADO. EXERCEU POUCO MAIS DE UM ANO DE MANDATO.

O QUE ELE FEZ?? BEM, A REALIDADE É OUTRA. LÁ NO SITE DA AL CONSTA QUE ELE FEZ "GRANDIOSAS" 6 AÇÕES: 3 REQUERIMENTO; 2 PROJETO DE LEI E 1 OFÍCIO.

MEU DEUS DO CÉU HEIN?! LEMBRANO QUE NA ELEIÇÃO PASSADA ELE TEVE 785 VOTOS EM CONFRESA E 556 EM VILA RICA.

PARA TUDO, MAS A FAMILIA DELE NÃO MORA EM VILA RICA? SÓ ESSA MERRECA DE VOTO?? XIIIIIIIII, SEI NÃO HEIN, ESSE BARCO É FURADO...

Data: 21/09/2014

De: Natalino

Assunto: BALÇA

QUEDI A BALÇA FILEMON QUE O DALTINHO DISSE QUE TU GANHOU DO GOVERNO DO TOCANTINS PARA COLOCAR AQUI E SUMIU COM ELA.

Data: 21/09/2014

De: JÁSINVAI SILVAL?

Assunto: CARNIÇA

Silval Barbosa está entre os 4 piores governadores do Brasil, revela Ibope.

O governador Silval Barbosa (PMDB) está entre os 4 piores governadores do Brasil. É o que revelou a pesquisa do instituto Ibope divulgada ontem (17) pela Rede Globo e pelo jornal Estadão. Silval ocupa a apenas 24ª posição entre os 27 estados, com - 20 pontos. A avalição final leva em conta a subtração dos índices de ‘ótimo e bom’ e ‘ruim e péssimo’. O governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (PMDB), que obteve 49 pontos de saldo, lidera o ranking.
r
O chefe do Executivo Estadual obteve 37% de ‘ruim e péssimo e 17% de ‘ótimo e bom’. A pesquisa ainda mostra que 39% dos entrevistados avaliaram como regular a atual gestão. Mato Grosso só conseguiu superar o Distrito Federal (DF), Amapá e Rio Grande do Norte.

As avaliações negativas e o momento político tem afastado o governador da campanha eleitoral. Silval não esconde que apoia o petista Lúdio Cabral à sua sucessão, porém tem sido pouco utilizado na campanha do cabeça-de-chapa da coligação ‘Amor a Nossa Gente’.

Lúdio e Silval justificam que a ausência é uma defesa contra acusações de uso da máquina pública na campanha.

Ontem, ao receber o prefeito Mauro Mendes (PSB) para conhecer o projeto do novo pronto-socorro de Cuiabá, Silval afirmou que muitas das pesquisas que avaliam a sua gestão estão sob influência dos problemas das obras da Copa do Mundo e também do jogo eleitoral.

Pedro Taques (PDT), por exemplo, se refere a Lúdio como o ‘candidato do Silval’ em seus programas eleitorais.

"Quando passar o período eleitoral e foram analisar as obras realizadas, sem paixão do momento, vão reconhecer que fui o melhor "prefeito" da história recente de Cuiabá.

Mudamos para sempre a mobilidade urbana da região metropolitana, mas creio que isso só será reconhecido com o tempo", observou Silval Barbosa, em entrevista nesta quarta-feira (17).

A pesquisa ouviu 3.010 eleitores em todo o Brasil, entre os dias 13 e 15 de setembro. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos sobre os resultados encontrados no total da amostra. O nível de confiança utilizado é de 95% e foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob protocolo nº BR-00657/2014.

Novo comentário