20/09/2014 - Lúdio promete provar suposto crime eleitoral praticado por Pedro Taques

O candidato a governador Lúdio Cabral (PT), da coligação Amor à Nossa Gente,  reafirmou que entrará com um pedido de cassação, na próxima semana, das candidaturas do seu adversário Pedro Taques (PTB) e da candidata a deputada estadual Adriana Vandoni (PDT), em virtude de uma suposta compra de votos e abuso de poder econômico. A declaração foi feita nesta sexta (19), no comitê de campanha, durante entrevista.

 

Para o petista, o que ocorreu nas dependências de um estabelecimento comercial cujo proprietário é o empresário Aldo Locatelli, um dos principais financiadores da campanha de Taques, se configura em crime eleitoral. “Os elementos que temos são robustos, como alimentação gratuita e cerveja gelada para mais de 200 pessoas num evento eleitoral, pois, o ambiente estava todo adesivado com os números dos candidatos, com material de campanha sendo distribuído, bem como indícios a respeito de distribuição de combustível”, disse.

 

O candidato do PT lembra ainda que, não é necessário provar que seu adversário pagou para a realização desse evento e sim alguém ligado a ele. “Se um dos doadores promoveu ato de campanha para Taques, que configure crime eleitoral, ele também responde e sofre as conseqüências desse ato”, ressaltou.  

 

Para o advogado do petista, José Renato de Oliveira Silva, o que a Coligação Amor à Nossa Gente pretende é demonstrar é o abuso de poder econômico. “Estamos juntando as provas, ainda há elementos que precisam ser colhidos para dar sustentação à ação, por isso estamos trabalhando com calma e entraremos com o pedido na próxima semana”, revelou.

 

Quando questionado sobre os ataques durante os programas eleitorais,  Lúdio se defendeu e alegou que apenas está esclarecendo as contradições do seu principal adversário ao Palácio Paiaguás. “Ele tem utilizado o programa para adotar essa pose de vítima utilizando no mínimo 70% do programa dele para nós atacar. Eu fiz uma escolha de realizar uma campanha propositiva, mas o candidato me ataca desde a época das convenções. O que estamos fazendo agora é expor as contradições que ele carrega, para auxiliar o eleitor a formar sua opinião sobre quem representa o melhor para o nosso Estado”, ponderou.

 

Em relação à ação que proíbe o candidato a ligar o nome do Taques a Operação Ararath, o petista foi enfático e garantiu que nesse momento Taques entrou em mais uma das suas contradições. “Me parece que ao tratar dessa questão,  ele usou o foro privilegiado para poder conseguir essa decisão judicial ao mesmo tempo em que alega combater o foro privilegiado para políticos. O que ele no discurso moralista prega ser contra nessa questão utilizou a seu favor para que não tivesse o nome dele citado”.

 

Lúdio ainda alega que seu adversário teria uma maneira rápida e simples de esclarecer esse suposto envolvimento. “Um procedimento muito simples que ele poderia adotar para sanar qualquer dúvida sobre essa questão, é fazer a autorização para quebra do sigilo bancário e fiscal dele e da esposa e não o fez. Para ele, que prega transparência e moralidade, bastava esse gesto concreto de transparência que eu já fiz para não deixar dúvidas sobre seu envolvimento”, alegou.

 

 Por fim, o petista afirma que confia na isenção da Justiça Eleitoral na tomada de todas as decisões e acredita que o segundo turno está garantindo. “Está muito claro que com essa estratégia de ataques, o que ele quer é evitar uma derrota.  Nós estamos crescendo desde que o programa de TV começou e crescendo com consistência, diferente do que aponta algumas pesquisas que não refletem à  realidade, que é  uma eleição de dois turnos”, finalizou. 

 

 

Gabriele Schimanoski

 

Comentários

Data: 21/09/2014

De: KKKKKKK

Assunto: UUUUUUUUUU

Silval Barbosa está entre os 4 piores governadores do Brasil, revela Ibope.

O governador Silval Barbosa (PMDB) está entre os 4 piores governadores do Brasil. É o que revelou a pesquisa do instituto Ibope divulgada ontem (17) pela Rede Globo e pelo jornal Estadão. Silval ocupa a apenas 24ª posição entre os 27 estados, com - 20 pontos. A avalição final leva em conta a subtração dos índices de ‘ótimo e bom’ e ‘ruim e péssimo’. O governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (PMDB), que obteve 49 pontos de saldo, lidera o ranking.
r
O chefe do Executivo Estadual obteve 37% de ‘ruim e péssimo e 17% de ‘ótimo e bom’. A pesquisa ainda mostra que 39% dos entrevistados avaliaram como regular a atual gestão. Mato Grosso só conseguiu superar o Distrito Federal (DF), Amapá e Rio Grande do Norte.

As avaliações negativas e o momento político tem afastado o governador da campanha eleitoral. Silval não esconde que apoia o petista Lúdio Cabral à sua sucessão, porém tem sido pouco utilizado na campanha do cabeça-de-chapa da coligação ‘Amor a Nossa Gente’.

Lúdio e Silval justificam que a ausência é uma defesa contra acusações de uso da máquina pública na campanha.

Ontem, ao receber o prefeito Mauro Mendes (PSB) para conhecer o projeto do novo pronto-socorro de Cuiabá, Silval afirmou que muitas das pesquisas que avaliam a sua gestão estão sob influência dos problemas das obras da Copa do Mundo e também do jogo eleitoral.

Pedro Taques (PDT), por exemplo, se refere a Lúdio como o ‘candidato do Silval’ em seus programas eleitorais.

"Quando passar o período eleitoral e foram analisar as obras realizadas, sem paixão do momento, vão reconhecer que fui o melhor "prefeito" da história recente de Cuiabá.

Mudamos para sempre a mobilidade urbana da região metropolitana, mas creio que isso só será reconhecido com o tempo", observou Silval Barbosa, em entrevista nesta quarta-feira (17).

A pesquisa ouviu 3.010 eleitores em todo o Brasil, entre os dias 13 e 15 de setembro. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos sobre os resultados encontrados no total da amostra. O nível de confiança utilizado é de 95% e foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob protocolo nº BR-00657/2014.

Novo comentário