21/04/2014 - Trechos da BR-158 intransitáveis e Dnit promete recuperação

A carreta que deveria estar na pista da esquerda, foi para a direita a fim de desviar de buracos. O caminhão que deveria estar na pista da direita, foi para a esquerda para se afastar de outro que havia invadido a sua pista. E eles ficam em zig zag, se cruzando e se evitando. Enquanto isso, o carro da reportagem fica sem saber para onde ir, até que, em certo momento, se vê entre os dois caminhões, com um de cada lado. Uma posição muito perigosa. Este relato, da viagem da equipe para a gleba de Suiá Missu, na região do Araguaia, se repetiu várias vezes principalmente entre os trechos da BR-158, após o município de Ribeirão Cascalheira.

Considerada uma dos piores rodovias em Mato Grosso, a BR-158, entre Água Boa e Ribeirão Cascalheira, está em péssima condições, com buracos espaçados que dão até para andar. O problema está quando se passa entre os dois municípios e se vai até o trecho da estrada de terra, que somam cerca de 250 quilômetros. Há tantos buracos, acostamento ruim e pavimento em mal estado, que é praticamente instransitável e muitos veículos acabam sendo obrigados a parar por questões mecânicas.

Segundo o superintendente do Dnit, Luiz Antonio Garcia, entre Ribeirão Cascalheira e o povoado de Alô Brasil, distrito de Alto Boa Vista, já está prevista uma obra de recuperação asfáltica, que começa em maio. Afirma que quando o trecho foi concebido e feito, não havia um tráfego tão grande na região, por isso, o local não estava preparado para tantas carretas e uso da pista.

Hoje uma das maiores demandas do setor do agronegócio e mesmo da população em geral é a melhoria das estradas no Estado. O superintendente ressalta que, em vários trechos, intervenções estão sendo feitas ou programadas. “Há muitas metas e desafios. Até agora era só no papel, mas temos condições de virar obras”, explica. Há duplicação da BR-163 por meio de iniciativa privada, projeto de licitação de recuperação da BR-252, melhorias privadas, construção do Rodoanel de Cuiabá, entre outros.

Comentários

Data: 21/04/2014

De: joaospindola

Assunto: BR - 158

Estou entendendo pela notícia que o superintendente do Denit quis dizer que o asfalto construido é meia boca em função de que achavam que nesta BR o trânsito de veículos era pouco, o que é uma aberração pela falta de informação sobre a região que possui ainda mais de 1.000.000 de ha aptos à agricultura e também de que esse Orgão gasta dinheiro público em obras desse tipo.

Novo comentário