21/09/2013 - Professores rejeitam proposta do Governo e greve continua

A greve dos professores e servidores da rede estadual de ensino continua. A categoria, em assembleia realizada nesta sexta-feira, na Escola Estadual Presidente Médici rejeitou a proposta do governo em dobrar os salários dos professores para R$ 5.354,77 em dez anos. Outra proposta rejeitada foi a de conceder os 30% de hora atividade aos professores interinos em três parcelas em três anos. Os professores querem que seus salários sejam dobrados em sete anos e que os professores interinos passem a receber a hora atividade integral a partir de janeiro de 2014.
 
A reunião dos professores e servidores da rede estadual de ensino teve início às 14h, com a participação de caravanas de várias cidades mato-grossenses. Na ocasião, o presidente do Sintep, Henrique Lopes do Nascimento leu a proposta que foi apresentada pelo Governo do Estado de aumento real, a partir de maio de 2014 de 5%, seguindo de 6% em 2015, 7% em 2016 e a partir de maio  de 2017 até maio de 2023 o percentual oferecido é de 7,69% anualmente. Em relação à hora-atividade, o direito à reserva de horário para as atividades pedagógicas fora da sala de aula, seria aplicada gradativamente em 3 parcelas. Em 2014 os profissionais contratados, ou seja os professores interinos teriam direito a 1/3 da hora-atividade, chegando a 2/3 em 2015 e a totalidade a partir de 2016.
 
A proposta apresentada pelo Governo do Estado não foi aceita pela categoria. Em votação, os servidores entenderam que é preciso buscar mais avanços. Assim, a greve continua enquanto a categoria vai negociar o aumento dos salários em sete anos e a hora atividade dos interinos integral a partir de 2014.
 
A greve teve início em 12 de agosto e vai continuar por tempo indeterminado. A categoria decidiu que segunda-feira haverá um ato público no acampamento da Educação, na Avenida Rubens de Mendonça. Na terça-feira vão fechar a Secretaria Estadual de Educação – Seduc – não permitindo que os funcionários trabalhem e na quinta-feira haverá um ato público com caminhada pela cidade a partir das 15 horas.
 
Ao final do encontro, o presidente do Sintep, Henrique Lopes do Nascimento informou que algumas das proposta do governo foram aceitas como o calendário para chamamento dos classificados no último concurso público de 2010, que já havia sido apresentado por meio de ofício ao Sintep/MT, foi reforçado na proposta encaminhada à categoria.
 
A pauta da categoria que será reforçado ao governo do Estado é a seguinte:
 
-Política que vise dobrar o poder de compra dos educadores em até 7 anos;
 
-Realização imediata de concurso público;
 
-Chamamento dos classificados do último concurso;
 
-Garantia da hora-atividade para interinos;
 
-Melhoria na infraestrutura das escolas;
 
-Aplicação dos 35% dos recursos na educação como prevê a Constituição Estadual;
 
-Autonomia da Secretaria de Estado da Educação (Seduc) nos recursos devidos na área.
 
 
Rubens de Souza
24 Horas News
 

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário