22/04/2016 - Secretário revela que intenção é focar no trecho Aeroporto-Porto do VLT

22/04/2016 - Secretário revela que intenção é focar no trecho Aeroporto-Porto do VLT

O secretário de Cidades, Eduardo Chiletto, afirmou na última quarta-feira (20) que a intenção do Consórcio VLT e do governo seria focar no trecho Aeroporto-Porto do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos). Porém, as duas partes ainda ‘sentarão’ novamente para disputar como será o cronograma do trabalho. Chiletto ainda elogiou o andamento de algumas obras e disse que o risco de rescisões unilaterais “diminuiu bastante”.
 
“Há uma intenção do Consórcio de sentar com a Secid (Secretaria de Cidades) para refazermos o cronograma de obras. A intenção, no primeiro momento, é que possamos entregar pelo menos o trecho Aeroporto-Porto. Porém, ainda temos que sentar e conversar sobre isto, o que deve acontecer na próxima semana”, explicou o secretário durante a inauguração do setor internacional do Aeroporto Internacional Marechal Rondon. Este trecho é um dos que está mais avançado e já conta inclusive com os trilhos praticamente prontos.
 
Chiletto ainda elogiou o andamento de algumas das obras: “Estou gostando muito do ritmo do Complexo do Tijucal, é possível que seja entregue rapidamente. O Córrego do Barbado está muito bom também. Na Estrada do Moinho estamos aguardando a certidão negativa da empresa para que façamos o pagamento e a obra seja retomada. A ciclovia está muito mal executada e terá de ser refeita”.
 
Por fim, o secretário frisa que, pelo menos aos poucos, as empresas tem voltado a fazer um bom trabalho e que o risco de término de contrato é pequeno: “Diminuiu bastante o risco de rescisão unilateral. As empresas não estavam seguindo o cronograma, como todas elas viram que não estávamos ameaçando e sim já notificando com intenção de rescindir o contrato, resolveram seguir o ritmo desejado. Porém, se não for cumprido, voltaremos a cogitar esta hipótese”, finalizou.
 
Prazo esgotando
 
Em decisão proferida no dia 15 de abril, o juiz da Primeira Vara da Justiça Federal, Ciro José de Andrade Arapiraca, determinou um prazo para o fim do impasse nas negociações do Governo do Estado e o Consórcio do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT): 10 dias. Encerrado o prazo, ambos os lados deverão apresentar pareceres e chegarem a um acordo, perante o judiciário, para concluírem a viabilidade da retomada das obras.
 
Impasse:
 
O Estado tem seu lado bem definido: evitar maiores custos. Conforme explicou o secretário-chefe da Casa Civil, Paulo Taques. “A retomada da construção do VLT é uma vontade do governador Pedro Taques. Acreditamos que o VLT é viável. O que buscamos é a forma, sem onerar ainda mais o cidadão do que já onerou”.
 
A empresa KPMG, por sua vez, divulgou no inicio deste mês estudo que mostra que a procura pelo VLT em Cuiabá e Várzea Grande poderá ser muito baixa por ao menos, 35 anos. A análise apontou que o VLT poderá ter um aumento de 6,2% até 2045, número muito inferior ao da busca pelos ônibus que poderão aumentar em até 74,7%.
 
Segudo o estudo, procurariam o VLT apenas 6,3 milhões de passageiros por ano. Daqui a 10 anos, o número iria para 6,5 milhões, em 2035 aumentaria para 6,6 milhões e em 2045, para 6,7 milhões. Ou seja, um frustrante crescimento de apenas 6,2% em 30 anos.
 
Em um segundo cenário, desta vez com a integração entre ônibus e VLT, a estimativa de passageiros por ano em 2015 seria de 29,5 milhões, passando para 30.217 dentro de nove anos, seguindo 30.229 em 2035 e chegando a 30.358 no ano de 2045, um crescimento de 2,73% em 30 anos.

Colaborou Paulo Victor Fanaia Teixeira

 

 

 

Da Redação - Wesley Santiago

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário