22/07/2014 - O que existe é o medo de eu ganhar as eleições, diz Taques sobre buscas

O candidato a governador de Mato Grosso, Pedro Taques (PDT), afirmou em entrevista ao RDTV desta segunda (21) que está tranquilo quanto ao mandado de busca e apreensão realizado em seu comitê ontem (20). “Estou preocupado em conversar com o eleitor mato-grossense, mostrar nossas propostas e cada um entende o que quer. Nós não contratamos a pesquisa, divulgamos o que está no jornal, eles estão questionando a margem de erro e nós confiamos na Justiça de Mato Grosso. Agora, o que existe é o medo de eu ganhar a eleição”, destaca.

 

A determinação judicial foi concedida pela juíza auxiliar do Tribunal Regional Eleitoral, Ana Cristina Silva Mendes, à coligação Amor à Nossa Gente, do candidato ao governo, Lúdio Cabral (PT). A magistrada considerou irregular a pesquisa Vox Populi divulgada pelo jornal Diário de Cuiabá, no último sábado (19). Por conta disso, ordenou a imediata abstenção do material veiculado, sob pena de crime de desobediência.

 

A decisão levou em consideração o fato de que a matéria deixaria de contemplar os requisitos exigidos pela legislação de regência, "especificamente o nível de confiança, além da respectiva margem de erro, que, embora mencionada na capa daquele Diário, deixa de sê-lo na página em que efetivamente se divulga a pesquisa, o que por certo dificulta a interpretação de seus dados por parte do eleitorado”, conforme trecho do documento. A margem de erro mencionada é de 3,1% para mais ou para menos. Na pesquisa estimulada, Taques aparece com 43% das intenções de voto, José Riva (PSD) com 18% e Lúdio com 12%.

 

Taques explica que a coordenação de sua campanha pegou a pesquisa veiculada pelo Diário de Cuiabá e reproduziu. Destaca que o instituto Vox Populi existe há mais de 30 anos e que a apuração está registrada no TRE. “Os números são verdadeiros. O que o outro lado está contestando é que faltou a margem de erro. Assim que soubemos da determinação judicial, mandamos recolher todo o material porque nós obedecemos a lei e confiamos na Justiça estadual”. 

 

Para o candidato da oposição, a decisão não pode ser considerada como “exagerada” e descarta a hipótese de que a situação seja o início de uma “guerra jurídica” entre os postulantes ao Palácio Paiaguás, já que Taques tem sido alvo de críticas de Lúdio, José Riva (PSD) e José Marcondes, o Muvuca (PHS). “Da minha parte não começou uma guerra jurídica. O que existe é o temor de ganharmos as eleições”, ressaltou. 

 

 

Camila Cecílio

 

Comentários

Data: 22/07/2014

De: Controversia

Assunto: Premio

O Senhor estar absoutamente correto governador, o povo sabe da verdade, e esses corruptos vão ter que lhe engulhir....KKKKKKKKK

Novo comentário