22/09/2015 - Do presídio, Roseli ligou para Silval para pedir escova de cabelo

Na madrugada do último dia 21 de agosto, logo depois de ser detida no Presídio Feminino Ana Maria Couto May, em Cuiabá, a ex-primeira-dama de Mato Grosso, Roseli Barbosa, usou um telefone fixo da unidade prisional para fazer algumas ligações.

Duas delas foram feitas para o telefone celular de seu marido, o ex-governador Silval Barbosa (PMDB). Segundo advogados ouvidos pela reportagem, as ligações seriam ilegais (leia abaixo).

Interceptações feitas pelo Ministério Público Estadual (MPE), através do Gaeco, com autorização da Justiça, as quais o MidiaNews teve acesso, revelam que a primeira ligação foi feita à 1h12 da madrugada.

No telefonema, que durou 02:28 minutos, Roseli pede a Silval que leve até o presídio lençol, toalha, pasta de dente, cobertor, garrafa térmica, chinelo e outros itens.

 

Na ligação, a ex-primeira-dama pede para o marido tomar nota dos itens, para que não os esqueçam.

“Traz pra mim, porque não tem aqui... Não sei se você pode entrar”, diz Roseli.

“Você já está no seu quarto?”, pergunta Silval.

“Só o advogado pode entrar”, responde ela.

OUÇA A PRIMEIRA LIGAÇÃO

www.midianews.com.br/download.php?id=163642


Cinco minutos depois, à 01:17 da madrugada, a ex-primeira-dama fez outra ligação ao marido. O telefonema durou 31 segundos.

Nele, Roseli pede que o marido leve até ela uma escova e um “negocinho de amarrar cabelo”.

 

OUÇA A SEGUNDA LIGAÇÃO

www.midianews.com.br/download.php?id=163641

 

Telefone fora da carceragem

 

Segundo apurou a reportagem, o telefone usado por Roseli para fazer as chamadas não fica no setor da carceragem do presídio, onde Roseli ficou detida, em uma sala improvisada, já que possui curso superior. 

 

“O telefone fica no setor penal, mas não na carceragem. De onde ela estava detida até esse aparelho telefônico tem uma distância de mais de cem metros”, disse uma fonte, que trabalha no presídio.

 

A reportagem entrou em contato, por telefone, com a gerente da unidade, identificada como Valdenice. 

 

Assim que a reportagem se identificou, e falou sobre o assunto, ela desligou o telefone e não atendeu a outras chamadas.

 

Ligações ilegais

 

Segundo dois advogados criminalistas ouvidos pela reportagem, as ligações telefônicas feitas por Roseli Barbosa seriam irregulares, já que o Código de Processo Penal garante ao detento o direito de fazer apenas a comunicação da prisão à família e ao advogado. 

 

"É absolutamente atípico um preso provisório fazer mais de uma ligação. A pessoa é presa justamente para sair do contato social e deixar de interagir com outras pessoas. Só com autorização da direção do presídio ou da Justiça, e por motivos muitos relevantes, é que se poderia fazer essas ligações", afirmou um deles.

 

A ex-primeira-dama foi transferida do presídio feminino para o comando do Corpo de Bombeiros, na Capital, no dia 22, por meio de autorização judicial.

 

No dia 26 de agosto, ela foi beneficiada por uma decisão liminar do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e colocada em liberdade no dia seguinte.

 

 

 

Lucas Rodrigues 

Da Redação

 

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário