23/01/2015 - Falhas na Arena Pantanal podem causar queda de estrutura

O secretário do Gabinete de Projetos Estratégicos, Gustavo Oliveira, afirmou, nesta quinta-feira (22), que problemas de projeto da Arena Pantanal podem ocasionar queda de parte da estrutura do forro e o uso do estádio para grandes eventos é considerado um risco.

A afirmação foi dada em coletiva de imprensa realizada  na própria Arena Pantanal. “Por causa da água, podem causar risco de escorregamento. Alguns pedaços de forro afetados pela umidade podem cair e nós estamos rapidamente agindo para minimizar estes riscos”, disse.

Em visita técnica com os jornalistas, o secretário apontou problemas como vazamentos e inundações que atingem principalmente a estação de reuso e torres de reaproveitamento da água do estádio além de problemas elétricos e eletrônicos ocasionados pela chuva. 

Ao todo, são 12 pontos do estádio que apresentam o mesmo problema. “Problemas de drenagem, na área do subsolo que estão acumulando água e que precisam de outras soluções de drenagem. Na época seca, não apareceu, agora na chuva aparece”, explicou.

Conforme o secretário, os problemas de projeto não versam sobre risco da parte civil ou instalação e, por isso, não são de responsabilidade da Mendes Júnior, atual executora de obras no estádio.

“Estivemos em uma reunião com os diretores da empresa, eles fizeram uma segunda inspeção conosco para realizar os trabalhos construtivos da Arena. Existem problemas de projeto aqui, que não são responsabilidades da construtora, são problemas de projeto que não foram detectados na época da construção e que precisam ser resolvidos agora”, afirmou. 

De acordo com Gustavo, as responsabilidades sobre as falhas já estão sendo apuradas em auditoria e os responsáveis terão de arcar com os custos dos reparos. Por enquanto, a Federação Mato-grossense de Futebol (FMF) fica responsável por alguns itens assim como alguns fornecedores estão sendo convocados a fazer os reparos.

“A auditoria está vendo sobre a possibilidade de acionarmos o seguro da obra de R$ 19 milhões para realizar este serviço”, aponta.

Entorno

Já os problemas do entorno versam sobre má qualidade da execução da obra e mau uso. A determinação, conforme o secretário Gustavo, é que seja elaborado um novo projeto para a área que ficará sob responsabilidade da Secretaria de Cidades.

O projeto deve compreender, entre outros itens, a edificação de um restaurante, conforme inicialmente previsto no projeto do estádio.

 “O governador determinou que fosse realizado um novo projeto de entorno, já que a população acabou abraçando a Arena e deu novo uso ao espaço, que se tornou uma área de lazer e de prática de esportes”, disse.

A previsão é de que todos os reparos da Arena sejam finalizados até o final de fevereiro, sendo que o estádio ficará fechado logo após a conclusão do Campeonato Mato-grossense de Futebol.

“A Mendes Junior vai apresentar um cronograma de tudo a ser executado. Provavelmente, até o meio ou final de fevereiro. Eles nos pediram um prazo para analisar e um prazo para apresentar um prazo de cronograma”, disse o secretário 

Campeonato

Apesar da realização de obras de reparo, o secretário Gustavo Oliveira negou que o estádio ficará interditado neste período de obras, que deve ser concluído até a realização do Campeonato Mato-grossense de Futebol, previsto para o dia 1º de fevereiro.

Segundo ele, a Arena passa por restrição a permanência de pessoas, sendo que o estádio poderia receber um público de apenas 3 mil.

“A Arena não está interditada. Mas precisamos entender que colocar uma grande quantidade de pessoas aqui dentro, sem uma responsabilização no sentido de minimizar os riscos, não é admissível. Não é admissível abrir a Arena com riscos ao frequentador”, disse.

Conforme o secretário, a definição oficial sobre a realização ou não do Campeonato acontecerá apenas na terça-feira (27), após reuniões com representantes da Federação Mato-grossense de Futebol e inspeção do gramado, que, atualmente, é de responsabilidade da entidade.

No entanto, ele antecipou que a previsão é de que todos os jogos aconteçam conforme o previsto. 

“Eu diria que no dia 3 de janeiro, quando fizemos a primeira inspeção, era muito difícil ter o campeonato. Mas, hoje, eu acredito que é possível que exista o jogo aqui. Só se algum imprevisto acontecer”, afirmou.

No caso de imprevisto, o secretário afirmou que há a possibilidade de que apenas parte da Arena opere para atender as necessidades do campeonato. 

“É possível que nós abramos só o anel inferior ou só os setores. Mas tudo isso ainda vamos analisar”, completou.

Estádio 

Até agora, a Arena Pantanal já custou aos cofres públicos aproximadamente R$ 640 milhões. 

A obra teve início em 2010, com custo previsto de R$ 590 milhões e deveria ser entregue em 2012. 

No entanto, problemas referentes aos assentos e ao incêndio que atingiu a obra em 2013 protelaram a entrega do estádio, que, até hoje, não foi recebido oficialmente pelo Estado.

Atualmente, além dos reparos, devem ser concluídos os serviços de Tecnologia da Informação.

 

 

Karine Miranda 
Da Redação

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário