23/02/2016 - Blairo Maggi articula reeleição ao Senado e evita fazer prognóstico sobre futuro palanque para 2018

23/02/2016 - Blairo Maggi articula reeleição ao Senado e evita fazer prognóstico sobre futuro palanque para 2018

A decisão de desistir de se filiar no PMDB e permanecer no Partido da República não significa que o senador Blario Maggi (PR) vai pendurar as chuteiras. Ele articula sua candidatura à reeleição, em 2018, e não demonstra preocupação em provavelmente estar num palanque oposto ao ocupado pelo governador José Pedro Taques (PSDB).
 
Caso a vida política siga o curso normal, o senador Wellington Fagundes (PR) deve ser candidato a governador, em 2018. E, assim, a tendência natural é de  Blairo Maggi seja um de seus companheiros de chapa, ficando ou não no PR, o que é improvável. “Tive uma conversa bastante sincera com ele [Wellington] e informei que não quero atrapalhar um projeto dele, se a vontade for concorrer ao governo do Estado. Duas candidaturas majoritárias, em 2018, dentro do PR, sem dúvida, são muito para o PR, diante da necessidade da composição. Se o Welington falar que é candidato eu não posso ficar no PR”, disparou Blairo, para a reportagem do Olhar Direto.

 
Por isso, Maggi deseja estar no maior número possível de palanques, nas eleições municipais deste ano, nas diferentes regiões de Mato Grosso. “Por isso analiso a possibilidade de me desfiliar do PR e ter a total liberdade de ir para apoiar candidato de qualquer partido e subir em qualquer palanque. Ou mesmo posso ficar no PR e ter liberdade de fazer isso [apoiar todos aliados], o que depende de muito diálogo com a direção”, ponderou ele.
 
Na alça de mira de Blairo, está a disputa da reeleição ao Senado, em 2018. “Creio que [2016] seja uma preparação para as eleições de 2018 como o projeto que tenho de concorrer novamente ao Senado”, alertou.
 
Contudo, não avalia a decisão do grupo do atual governador José Pedro Taques (PSDB), em evitar alianças municipais com PMDB e PT. Ele lembra apenas que existe uma forte crise econômica, em curso, que atingiu em cheio o governo. “São momentos de crise na economia nacional e a estrutura da administração exige muitas medidas rígidas. Os recursos são diferentes de quando assumi. Agora, o cenário é outro e exige medidas para evitar um colapso. Do momento que cada um governa é muito diferente e exige medidas claras e rígidas para evitar crise que afete a capacidade de investimentos”, sintetizou Blairo Maggi.

Relação com PMDB

Em postagem feita em sua página no Facebook, na tarde desta segunda-feira (22), Blairo confirmo o recuo da filiação ao PMDB, conforme o Olhar Direto já havia publicado. Ele ainda destacou que conversou com Michel Temer e Carlos Bezerra sobre essa decisão, e que pode voltar a conversar sobre filiação à sigla em outro momento. 

"O recuo da filiação ao PMDB teve em vista as eleições. Estando no partido eu não poderia apoiar alguns candidatos de outras siglas que já contam com meu apoio. Essa decisão foi estratégica e fiz isso conversando com o vice-presidente Michel Temer, com o deputado federal Carlos Bezerra e outras lideranças do PMDB no Senado. Encerrado esse processo, vamos avaliar como conduzir meu retorno. Precisamos respeitar o PMDB também, caso não deseje mais o meu ingresso", escreveu o senador. 

 

 

 

Da Redação - Ronaldo Pacheco

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário