23/03/2015 - Casou com a viúva, assume os filhos, diz Oscar sobre conclusão do VLT

O deputado estadual Oscar Bezerra (PSB), que preside a CPI das Obras da Copa, defende a conclusão do VLT e a concessão à iniciativa privada caso os custos ultrapassem a previsão inicial de R$ 1,4 bilhão. De acordo com o socialista, o governo estadual não pode quebrar o contrato sob pena de ser acionado judicialmente. “Existe o contrato que foi licitado e um empréstimo contraído para determinada finalidade. Se não foi o atual Governo que fez coisa errada, precisa dar continuidade à implantação do VLT, para não ser acionado na Justiça. Casou com a viúva, assume os filhos”, dispara Oscar.

 

Segundo o deputado, a troca do modal para BRT deve ser a última saída a ser cogitada. Defende que se o custo da conclusão for majorado, a solução plausível é fazer um chamamento para as empresas assumirem o término da obra, ganhando o direito de explorar o VLT desde que invistam o valor necessário para concluir a implantação. “O negócio é privatizar, respeitando a integração do sistema e mantendo a tarifa dentro da realidade do transporte coletivo na Capital”.

 

Conforme Oscar, a tarifa de R$ 10, fomentada por alguns setores, não condiz com realidade. Para o socialista, é preciso considerar que nenhum investidor aplicou recursos na aplicação do VLT e todo investimento partiu do Governo, que tem 30 anos para pagar o empréstimo contraído. “Quem bancou a obra foi o Estado, que não tem interesse em lucrar. Então, a tarifa pode ser a mesma dos ônibus. A população não pode pagar essa conta. O VLT tem que ser legado da Copa para população”.

 

Plebiscito

Oscar Bezerra também se posicionou contra o plebiscito para decidir entre VLT e BRT, proposto pelo deputado estadual Emanuel Pinheiro (PR). O próprio custo de R$ 4,2 milhões para realização da consulta já indica desperdício de dinheiro público. “O Governo errou e a Assembleia não fiscalizou como deveria. Agora, não podemos jogar a responsabilidade nas costas da população”, conclui.

 

 

Jacques Gosch

 

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário