24/06/2011 – 07h:40 Suiá Missú: Índios queimam casas e expulsam famílias, denuncia líder comunitário

 Presidente da Associação dos Produtores pediu à PF que apure denúncias.

Segundo líder comunitário, índios armados ameaçam agricultores.

Famílias da região da antiga fazenda Suiá Missú, no Distrito de Estrela do Araguaia, que fica na divisa de São Félix do Araguaia e Alto Boa Vista, a 1.064 quilômetros de Cuiabá, estão sendo supostamente humilhadas, ameaçadas e, algumas delas, tiveram as casas queimadas por índios xavantes. Há aproximadamente dois meses, a violência na região tem aumentado depois que cerca de 400 indígenas recusaram a proposta do governo do estado de transferência dos índios para o Parque Estadual do Araguaia.

A denúncia partiu do presidente da Associação dos Produtores Rurais da área Suiá Missú, Renato Teodoro da Silveira Filho, que se diz porta-voz da comunidade. Ele procotolou junto à Superintendência da Polícia Federal um pedido de instauração de inquérito para apurar os supostos atos de violência contra os não-índios...

 

O líder relatou, em entrevista ao G1, que recentemente um grupo de indígenas fortemente armados com revólveres, espingardas, facões, arcos e flechas invadiu uma fazenda que faz divisa com o local onde se encontram. "Eles mataram e roubaram várias cabeças de bovinos, arames de cerca, incendiaram casas, ameaçaram os ocupantes, os obrigando a se retirarem do local com as crianças", reclamou, ao avaliar que há um impasse desnecessário, já que o governo sancionou o projeto que concede uma área exclusiva aos índios no Parque Estadual do Araguaia.

Quando propôs o acordo, a administração estadual alegou que não teria onde abrigar as mais de 1,5 mil famílias que moram na região de conflito e, por isso, garantiu, em contrapartida, assistência à saúde, alimentação e de transporte aos índios, nesse caso, balsas para a travessia dos rios. O representante da comunidade ignora ainda o fato de os proprietários das terras serem tachados de "grileiros, bandidos e invasores" e disse temer por um conflito entre os indígenas e moradores da região. "Temo um conflito porque chegam 80 índios armados em uma casa que só tem três pessoas".

Os índios se deslocaram até a Suiá Missuí após uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), por meio de um recurso extraordinário do Ministério Público Federal (MPF), em 2004, que lhes condeceu o direito de posse da área. Antes, eles moravam na reserva indígena Pimentel Barbosa, que fica em Água Boa, a 736 quilômetros de Cuiabá.

O impasse será discutido nos próximos dias 28 e 29 com os líderes indígenas e representantes da Secretaria Nacional de Direitos Humanos, da Polícia Federal, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e do governo do estado. Na ocasião, a lei sancionada pelo Poder Executivo, numa tentativa de apaziguar a briga, vai ser apresentada de forma detalhada aos índios.

Hoje, ainda conforme Renato Teodoro, cerca de seis mil pessoas moram nas zonas urbana e rural do distrito, que não terão para onde ir caso os índios ocupem as áreas.

A Procuradoria da República já deu início ao plano de retirada dos não índios. Porém, ainda não foi apresentado nenhum cronograma da mudança. Enquanto isso, produtores rurais, comerciantes e moradores de Estrela do Araguaia tentam reverter a decisão do Supremo.

A Fundação Nacional do Índio (Funai), por sua vez, assegura que a terra pertence aos índios e que o direito foi comprovado por meio de registros históricos, como fotos antigas, que mostram a presença dos xavantes na região antes do grupo ser retirado e transferido para outro local.

 

Escrito por Pollyana Araújo Do G1 MT

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário