23/07/2013 - Seminuas, mulheres se beijam em porta de igreja; Peregrinos ficam chocados e rezam

Um grupo de jovens casais homossexuais promoveu um beijaço na escadaria da Igreja de Nossa Senhora da Glória, no Largo do Machado, Zona Sul do Rio, no fim da tarde de segunda-feira. A cena chocou alguns peregrinos, que começaram a rezar no local. Mais cedo, cerca de duzentos manifestantes a favor dos direitos homossexuais iniciaram uma caminhada em direção ao Palácio Guanabara, onde o Papa foi recebido por autoridades nacionais. A passeata ocorreu de forma pacífica, até que um segundo grupo se juntou a eles. A concentração começou por volta das 14h no Largo do Machado. Às 16h, um segundo grupo chegou ao local com bandeiras de partidos políticos, do sindicato dos professores, da Assossiação Nacional dos Estudantes Livres e do MST, e gritando palavras de ordem contra o governador Sérgio Cabral. O ato foi convocado pelo estudante João Pedro Accioly, de 19 anos, e reuniu movimentos em defesa dos direitos homosexuais e grupos feministas. — É um evento que veio na onda dos protestos, desvinculado de entidades clássicas, como sindicatos e partidos políticos, e ganhou as redes sociais. É um protesto simbólico contra a criminalização das drogas, a proibição do aborto e a favor dos direitos LGBT. Enquanto os beijos forem considerados ofensas, protestos como esse serão necessários - diz João.

 

O Globo

COMENTÁRIOS

Data: 23/07/2013

De: RAUL SEIXAS

Assunto: ROCK DAS ARANHAS

SUBI NO MURO DO QUINTAL E VI UMA TRANSA QUE NAO E NORMAL E NINGUEM ACREDITAR EU VI DUAS MULHER BOTANDO AS ARANHAS PRA BRIGAR,VEM CA MULHER DEIXA DE MANHA MINHA COBRA QUER COMER SUA ARANHA,SOLTEI A COBRA E ELA FOI DIRETO PRO MEIO DAS ARANHAS PRA MOSTRAR COMO QUE É CERTO,COBRA COM ARANHA QUE DA PÉ,ARANHA COM ARANHA SEMPRE DEU EM JACARÉ.....KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK...SALVE RAUL.

Data: 23/07/2013

De: Roney

Assunto: hoje tem...

To sentindo falta da matéria sobre o RIVA.
Aposto que hoje tem !

Data: 23/07/2013

De: O GIGANTE ACORDOU

Assunto: Re:hoje tem...

Manifestantes pedem a cabeça de Riva durante ato contra a corrupção
Em coro cantavam “Fora Riva”, “Riva ladrão, vai para a prisão”.
Fonte: Michely Figueiredo

Foto do Facebook
Foto do Facebook
Famílias inteiras também marcaram presença. Grávidas, estudantes, idosos, sindicalistas, homossexuais. O movimento foi bastante democrático e mostrou o grau de insatisfação do povo com o atual cenário político nacional e regional.
De acordo com informações prestadas pela Polícia Militar, 30 mil pessoas participaram nesta quinta-feira (20) do II Ato contra a Violência e a Corrupção. Os manifestantes percorreram aproximadamente 5 quilômetros, saindo da Praça Alencastro, percorrendo a Prainha, Avenida do CPA e chegando à Assembleia Legislativa. Em frente ao Poder Legislativo, protestantes pediam a cabeça do deputado estadual José Riva (PSD). Em coro cantavam “Fora Riva”, “Riva ladrão, vai para a prisão”, “Riva, pode esperar que sua hora vai chegar”. Várias faixas com os mesmos dizeres eram carregadas pelos membros da caminhada.

José Riva é dono de uma das fichas mais longa do país. Responde a aproximadamente 100 processos por improbidade administrativa em virtude de ser considerado um dos mentores de esquema que desviou dos cofres da Assembleia Legislativa aproximadamente R$ 65 milhões. Ocupava a presidência da Assembleia Legislativa há um mês. Decisão do Tribunal de Justiça determinou que deixasse de exercer a função administrativa.

O segundo político mais criticado pelo movimento foi o governador Silval Barbosa (PMDB). Os protestantes cobravam o fim dos contratos com as Organizações Sociais de Saúde, que atualmente gerenciam os hospitais regionais de Mato Grosso, além de exigirem mais investimentos em saúde, educação e segurança pública.

Os manifestantes também se lembraram do deputado federal Carlos Bezerra (PMDB) e da presidente Dilma Rousseff (PT). Segundo os manifestantes, a petista “acabou com o Brasil”.

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Mato Grosso, Maurício Aude, assim como o procurador-geral de Justiça de Mato Grosso, Paulo Prado, participaram do protesto.

“Historicamente a Ordem sempre foi às ruas, sempre travou lutas. Não podia ser diferente nesse levante popular no país todo. A Ordem está a favor das manifestações, a favor da democracia. Hoje vem a esse movimento se solidarizar e também ser o fiscal da liberdade de manifestação e opinião. A sociedade brasileira, cuiabana e matogrossense está trazendo um recado as autoridades. Ela não tolera mais desmandos, gastos excessivos, corrupção. A classe política precisa estar atenta a voz das ruas e se comportar diferente. Os mesmo vale para a população, que não pode continuar agindo da mesma maneira”, disse o presidente da Ordem.

Para um dos organizadores do evento, o estudante de pós-graduação Cauibi Kuhn, esse foi o maior movimento já realizado em Cuiabá. Oitenta por cento das 38.273 pessoas que confirmaram presença no evento criado no Facebook compareceram às ruas. O movimento foi apoiado por motoristas que foram impedidos de circular por onde os manifestantes passavam, por comerciantes e por pessoas que decidiram ficar em casa.

Para o presidente da CDL, Paulo Gasparotto, que também participou da manifestação, esse é o movimento mais forte desde o impeachment do presidente Fernando Collor. “Essa é uma manifestação cívica de quem está descontente. Hoje nos traz insatisfação a impunidade, a insegurança, a corrupção e principalmente as deficiências na saúde, educação e os péssimos serviços prestados pelos órgãos públicos. Não tenho dúvida que essa manifestação difusa, que contaminou o país inteiro, chegando a pequenas e grandes cidades, é a mais forte de toda a minha vida. Os 8 milhões de quilômetros quadrados estão participando. Não tem como os dirigentes não entenderem que não queremos mais caminhar nessa direção”, assegurou.

Moradores de prédios na Avenida do CPA atiraram papel picado nos manifestantes como forma de aprovação ao movimento. Em alguns apartamentos, os proprietários acendiam e apagavam as luzes para demonstrar a adesão ao movimento.

Foram destacados 150 policiais do Comando Regional I para fazerem a segurança do ato. Vinte viaturas também foram mobilizadas para o monitoramento ostensivo preventivo. Também fizeram parte da segurança do evento agentes de trânsito e policiais do Batalhão de Trânsito. Coube a eles trancar as vias para a passagem dos manifestantes.


Imprimir Indique Reportar

Novo comentário