23/07/2014 - Janot: MT verá um dois maiores escândalos de todos os tempos. Investigações podem atingir até quem já morreu

Criada para investigar apenas uma denúncia envolvendo duas pessoas, a “Operação Ararath” virou uma bola de neve e se transformou em um verdadeiro monstro. Até quatro mortes faladas como misteriosos estão sendo investigadas. Mato Grosso está próximo de registrar um dos maiores escândalo do País envolvendo altas autoridades, garante o procurador geral da República, Rodrigo Janot, que recentemente esteve em Cuiabá para apoiar a força tarefa do Ministério Público Federal. Os crimes investigados pela Polícia Federal (PF), Ministério Público Federal (MPF) e pala Procuradoria de Justiça Federal (PJF).

São tantas pessoas ameaçadas de morte direta e indiretamente, inclusive a própria procuradora federal Vanessa Cristhina Marconi Zago Scaramagnani. São tantos os documentos apreendidos e tantos documentos entregues por Éder de Moraes e Gércio Marcelino Mendonça Júnior, o “Júnior Mendonça”. São tantos os documentos apreendidos e entregues por Éder de Moraes, atualmente preso na Penitenciária da Papuda, em Brasília. São tantas pessoas chegando ao rol dos investigados, que foi preciso ser montada uma “Força Tarefa” com seis procuradores federais.

Pessoas envolvidas no “Escândalo dos Maquinários”, no BB-Pague, com a “Máfia do Combustível”, com a “Máfia dos Medicamentos”, com as “Máfias das Gráficas, com a “Máfia do Aluguel de Carros; com a “Máfia dos Precatórias”, com a “Máfia das Cartas de Crédito”, com a “Máfia da Assembleia”, a “Máfia das Fectorings”, com corrupção no DENIT; alguns jornalistas e alguns empresários donos de empresas jornalísticas, estão sendo investigado, segundo o procurador geral da República, Rodrigo Janot até o momento em oito crimes.


Segundo Janot os alvos da “Operação Ararath”, estão sendo investigados em oito crimes, assim descritos por ele. Lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta de instituições financeiras, organização criminosa (formação de bando ou quadrilha); agir como se fossem instituições financeiras (bancos clandestinos: agiotagem); corrupção ativa e passiva, falsidade ideológica e falsificação de documentos públicos.

O procurador geral da República não citou os nomes das pessoas que estariam sendo ameaçadas de morte, principalmente após a deflagração pela PF da quinta fase da “Operação Ararath”, mas deixou no ar uma dúvida muito grande quando comentou falando a seguinte frase: até a procuradora Vanessa está sendo ameaçada de morte.

Rodrigo Janot ainda afirmou com todas as letras, que a quantidade de material apreendido para investigações dentro da “Operação Aratath” é tão grande. Enorme segundo ele, que foi preciso convocar uma equipe de procuradores federais para dar conta de todo o trabalho investigativo.

O procurador da República não citou nomes, mas deixou bem claro ao afirmar que as investigações estão em segredo de Justiça em nível de Brasília devido à entrada de um político nas investigações. Ou seja, ele confirmou, mesmo que indiretamente que o senador Blairo Maggi é um dos investigados junto com o governador de Mato Grosso, Silval Barbosa.

Hoje, segundo a reportagem do Portal de Notícias 24 Horas News apurou, o maior volume das investigações estão concentradas em cima do crime de lavagem de dinheiro com a participação de da “Máfia das Factorings”, já desmascaradas através de documentos entregues elo empresário Júnior Mendonça, e o ex-secretário de Fazenda e ex-homem forte e de confiança dos governos Blairo Maggi e Silval Barbosa, Éder de Moraes.

As investigações também se concentram até em quatro mortes misteriosas de pessoas investigadas dentro da “Operação Ararath”. Pessoas que estavam prestes a prestarem depoimentos e serem interrogadas. Pessoas, segundo a Polícia, em rico de serem presas, como foi e continua preso Éder de Moraes. “Infelizmente a gente não pode falar nada devido o segredo de Justiça. Mas com certeza existe uma quantidade enorme, muito grande mesmo de documentos para serem analisados”, concluiu o procurador geral da República Rodrigo Janot.

Para finalizar. Janot confirmou que a procuradora federal de Mato Grosso, Vanessa Zago agora só anda escoltada por vários agentes da Polícia Federal. O procurador geral da República, no entanto, se recusou a afirmar ou não, se as pessoas que também estariam sendo ameaçadas de morte dentro da “Operação Ararath” também pediram ajuda para proteção policial, civil, militar e federal.

 

 

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário