23/08/2016 - Wilson promete “nova Avenida das Torres” em Cuiabá, mas ainda não diz onde será construída

23/08/2016 - Wilson promete “nova Avenida das Torres” em Cuiabá, mas ainda não diz onde será construída

O candidato a prefeito de Cuiabá Wilson Santos (PSDB) prometeu a construção de uma nova avenida na capital mato-grossense, similar à Avenida das Torres, mas não confirmou em que ponto da cidade ela seria feita, nem quais regiões pretende ligar.

A promessa foi reforçada em entrevista concedida nesta segunda-feira (22) à Rádio Jovem Pan. De acordo com Wilson, a infraestrutura urbana será um dos maiores desafios de uma eventual gestão sob seu comando.

Wilson Santos avalia que mesmo após as obras de mobilidade de urbana pensadas para a Copa do Mundo, Cuiabá ainda precisa melhorar a infraestrutura, às vésperas do aniversário de 300 anos da cidade.

“A infraestrutura é um grande desafio. Cuiabá vai completar 300 anos ainda muito carente na sua infraestrutura urbana. Nós vamos apresentar, nos próximos dias, a proposta de implantação de uma nova e importante avenida na Capital”, afirmou o candidato.

Outra ação pensada para o tricentenário da cidade, é a remodelação do Centro Histórico de Cuiabá. “Pretendo revitalizar o Centro Histórico. Na minha primeira passagem pela Prefeitura, reformamos os calçadões, trocamos os pisos por blocos, trocamos a iluminação. De volta à Prefeitura, pretendemos expandir esta reforma”, completou.

Outras propostas

Na entrevista, o candidato falou ainda sobre as propostas de implantação de 30 novas equipes do Programa Saúde da Família (PSF), a finalização da construção das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) dos bairros Verdão e Jardim Leblon e a conclusão do Novo Hospital e Pronto-Socorro de Cuiabá, em parceria com o Governo do Estado.

Na área do esporte, Wilson afirmou que pretende fortalecer as corridas de rua, o campeonato Pixote (futebol infanto-juvenil), os jogos estudantis e retomar o campeonato de futebol amador “Peladão”.

Em relação à política ambiental, o candidato assumiu o compromisso de manter os parques criados e restaurados na gestão do prefeito Mauro Mendes (PSB), como o Tia Nair e o Parque das Águas, e reforçou a intenção de construir o Parque Municipal “Dante de Oliveira”. Com informações da assessoria de imprensa.

 

 

 

Da Redação - Lucas Bólico

Comentários

Data: 27/08/2016

De: Luis Gonzaga Domingues

Assunto: luisodomingues@hotmail.com

JURISTA AFIRMA: Anúncio de votos antecipados de aliados de Temer já é motivo para anular impeachment; CONFIRA!

Partilhar no Facebook

Tweet no Twitter


A antecipação de votos pela condenação da presidenta Dilma Rousseff (PT) no processo de impeachment é motivo suficiente para anular o julgamento no Senado. A avaliação do professor de Direito Constitucional da Universidade de Brasília, Marcelo Neves, foi dada, ao vivo, na TV Senado, minutos antes do início do segundo dia de sessão. Para o jurista, a manifestação de senadores contrários a Dilma de que “o resultado final já é conhecido” demonstra que, se o processo é “um jogo de cartas marcadas, isso tira completamente a legitimidade dele”.
Para o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), a avaliação do jurista é mais um argumento que se soma às robustas provas que demonstram a imensa farsa do impeachment, viciado desde a sua origem.
“Nós tivemos, já no primeiro dia, o desmonte completo das pessoas arroladas pela acusação. A primeira – o procurador do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas, Júlio Marcelo – foi rebaixada da condição de testemunha à de informante, tendo em conta que ficou comprovada a sua ativa militância na organização de manifestações contra a presidenta Dilma. A outra – o auditor do TCU Antônio Carlos D’Ávila Carvalho – confessou publicamente que quebrou suas responsabilidades funcionais ao admitir que ajudou o procurador a elaborar seu parecer. Ou seja, os dois confessaram que estavam determinados a buscar, a qualquer custo, prejudicar a presidenta”, afirmou Humberto.
O jurista Marcelo Neves também criticou duramente ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) que, fora dos autos, têm opinado sobre o impeachment. “Vi manifestações dos ministros Gilmar Mendes e Carmen Lúcia de que o processo é absolutamente legal. Ora, e se houver recurso ao STF para a anulação de tudo? Como esses ministros podem ter opinado pela legalidade de algo que sequer ainda está sob a análise da Suprema Corte?”, questionou.
De acordo com Humberto, a defesa da presidenta vai pedir a anulação da representação feita pelo procurador do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) Júlio Marcelo de Oliveira referente à realização das chamadas pedaladas fiscais no ano passado.
O pedido terá como argumento o fato de o procurador ter quebrado o seu dever de imparcialidade ao organizar e participar de manifestações contra Dilma e o de o auditor do TCU Antônio Carlos D’Ávila Carvalho ter admitido, durante seu depoimento como testemunha de acusação nessa quinta-feira (25), que discutiu com o procurador a elaboração do texto da representação.
O documento preparado pelo procurador serviu de base do pedido de impeachment de Dilma Rousseff apresentado pelos juristas Hélio Bicudo, Miguel Reale Junior e Janaina Paschoal. “Estamos diante de mais um fato grave que compromete a legalidade da denúncia contra a presidenta”, disse Humberto.
Nesta sexta-feira (26), os senadores começam a ouvir, ainda nesta manhã, as testemunhas de defesa arroladas pelo advogado da presidenta Dilma, o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo.
Voto antecipado de aliados de Temer deveria anular processo contra Dilma, diz jurista
A antecipação de votos pela condenação da presidenta Dilma Rousseff (PT) no processo de impeachment é motivo suficiente para anular o julgamento no Senado. A avaliação do professor de Direito Constitucional da Universidade de Brasília, Marcelo Neves, foi dada, ao vivo, na TV Senado, minutos antes do início do segundo dia de sessão. Para o jurista, a manifestação de senadores contrários a Dilma de que “o resultado final já é conhecido” demonstra que, se o processo é “um jogo de cartas marcadas, isso tira completamente a legitimidade dele”.
Para o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), a avaliação do jurista é mais um argumento que se soma às robustas provas que demonstram a imensa farsa do impeachment, viciado desde a sua origem.
“Nós tivemos, já no primeiro dia, o desmonte completo das pessoas arroladas pela acusação. A primeira – o procurador do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas, Júlio Marcelo – foi rebaixada da condição de testemunha à de informante, tendo em conta que ficou comprovada a sua ativa militância na organização de manifestações contra a presidenta Dilma. A outra – o auditor do TCU Antônio Carlos D’Ávila Carvalho – confessou publicamente que quebrou suas responsabilidades funcionais ao admitir que ajudou o procurador a elaborar seu parecer. Ou seja, os dois confessaram que estavam determinados a buscar, a qualquer custo, prejudicar a presidenta”, afirmou Humberto.
O jurista Marcelo Neves também criticou duramente ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) que, fora dos autos, têm opinado sobre o impeachment. “Vi manifestações dos ministros Gilmar Mendes e Carmen Lúcia de que o processo é absolutamente legal. Ora, e se houver recurso ao STF para a anulação de tudo? Como esses ministros podem ter opinado pela legalidade de algo que sequer ainda está sob a análise da Suprema Corte?”, questionou.
De acordo com Humberto, a defesa da presidenta vai pedir a anulação da representação feita pelo procurador do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) Júlio Marcelo de Oliveira referente à realização das chamadas pedaladas fiscais no ano passado.
O pedido terá como argumento o fato de o procurador ter quebrado o seu dever de imparcialidade ao organizar e participar de manifestações contra Dilma e o de o auditor do TCU Antônio Carlos D’Ávila Carvalho ter admitido, durante seu depoimento como testemunha de acusação nessa quinta-feira (25), que discutiu com o procurador a elaboração do texto da representação.
O documento preparado pelo procurador serviu de base do pedido de impeachment de Dilma Rousseff apresentado pelos juristas Hélio Bicudo, Miguel Reale Junior e Janaina Paschoal. “Estamos diante de mais um fato grave que compromete a legalidade da denúncia contra a presidenta”, disse Humberto.
Nesta sexta-feira (26), os senadores começam a ouvir, ainda nesta manhã, as testemunhas de defesa arroladas pelo advogado da presidenta Dilma, o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo.

Data: 24/08/2016

De: Luis Gonzaga Domingues

Assunto: luisodomingues@hotmail.com

PF prende temporariamente presidente do PSDB de Goiás
Divulgação
Diretório Estadual do PSDB diz que doações para campanhas do partido foram declaradas à Justiça - Afreni Gonçalves Leite
Afrêni Gonçalves Leite, presidente do PSDB de Goiás
BELA MEGALE
DE BRASÍLIA

24/08/2016 07h52 - Atualizado às 09h00
Compartilhar3
Mais opções
PUBLICIDADE
A Polícia Federal prendeu na manhã desta quarta-feira (24) o presidente do PSDB de Goiás, Afrêni Gonçalves Leite, pela operação Decantação, que investiga o suposto desvio de R$ 4,5 milhões de dinheiro público por meio de contratos fraudulentos da Saneago, empresa de Saneamento de Goiás.

O PSDB de Goiás aparece como um dos beneficiários do esquema por supostamente receber dinheiro ilícito por meio de doações legais e também via caixa dois. Por isso, o presidente foi preso temporariamente.

As investigações indicam que dirigentes e colaboradores da Saneago promoveram licitações fraudulentas por meio de contratação de uma empresa de consultoria envolvida no esquema. Ainda segundo a polícia, essa consultoria teria direcionado dinheiro a beneficiários de propina, entre eles o PSDB.

De acordo com a PF, recursos oriundos do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), de financiamentos do BNDES e da Caixa Econômica Federal foram desviados para pagamento de propinas e dívidas de campanhas políticas do partido.

No total estão sendo cumpridos 120 mandados judiciais, sendo 11 de prisão preventiva, quatro de prisão temporária, 21 de condução coercitiva e 67 de busca e apreensão em Goiânia (GO), Aparecida de Goiânia (GO), Formosa (GO), Itumbiara (GO), São Paulo (SP) e Florianópolis (SC).

Além da sede do PSDB em Goiânia, também são alvos de busca a sede Saneago e de empresas envolvidas nas fraudes, além de residências e endereços ligados aos investigados.

A PF também apurou que a consultoria contratada pela Saneago direcionava a contratação de empresas que participavam do conluio e que eram responsáveis, posteriormente, por doações eleitorais.

Foi pedido o afastamento de oito servidores do cargo.

A operação foi feita em parceria com o Ministério Público Federal e do Ministério da Transparência, e evitou, segundo a PF, um prejuízo de quase R$ 7 milhões, de acordo com dados da PF.

Os envolvidos responderão pelos crimes de peculato, corrupção passiva, corrupção ativa, organização criminosa e fraudes em processos licitatórios.

O nome Decantação remete ao processo de tratamento de água, em que ocorre a separação de elementos heterogêneos.

HISTÓRICO

A investigação começou com o levantamento de crimes licitatórios para o fornecimento de estação elevatória de água do sistema de abastecimento de Luziânia, o Corumbá IV. Posteriormente, também foram identificados indícios de fraudes nos contratos para a ampliação do sistema de esgotamento de Goiânia, o Meia Ponte.

Segundo o Ministério da Transparência, no Corumbá IV houve direcionamento de licitação e outras irregularidades que geraram prejuízo efetivo de mais de R$ 1 milhão e prejuízo potencial de R$ 6 milhões. O valor do contrato de repasse do Corumbá IV envolve R$ 17,3 milhões.

No Meia Ponte o prejuízo efetivo seria de R$ 3,4 milhões e o potencial de R$ 1,7 milhão. Esse sistema recebeu aplicação de R$ 67,4 milhões.

Data: 24/08/2016

De: Luis Gonzaga Domingues

Assunto: luisodomingues@hotmail.com

Política Nacional
Terça, 23 de agosto de 2016, 15h24
EX-PRESIDENTE DO PSDB DE MINAS
Tribunal nega liberdade para ex-presidente do PSDB

R7
O ex-deputado federal e ex-presidente do PSDB de Minas Narcio Rodrigues vai continuar preso na penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte. O Tribunal de Justiça de Minas Gerais negou nesta quinta-feira (4) dois pedidos de liberdade apresentados pela defesa do tucano.

Os três desembargadores da Segunda Câmara do TJMG indeferiram o pedido de habeas corpus e até mesmo a solicitação de prisão domiciliar com uso de tornozeleira eletrônica. A defesa alegou que o político está com quadro de saúde debilitado e que o sistema prisional não oferece condições para atendê-lo. O argumento foi rejeitado pelos desembargadores.

Narcio está preso desde 30 de maio em decorrência da operação Aequalis do Grupo Especial de Promotores de Justiça do Estado. A operação desvendou um esquema de lavagem de dinheiro e desvio de verbas do projeto Cidade das Águas, em Frutal, no Triângulo Mineiro, reduto político de Narcio e do seu filho, o deputado federal Caio Narcio (PSDB). Idealizado para ser uma referência internacional no estudo das águas, o projeto vai completar dez anos em 2017 e já consumiu cerca de R$ 200 milhões dos cofres públicos. Mas acabou virando um dos maiores elefantes brancos do país.

Nesta quinta-feira, o pedido que foi indeferido pelo TJMG tem relação ao processo que Narcio responde em relação a compra de equipamentos da Cidade das Águas. Na próxima semana, o tribunal deve julgar o outro habeas corpus sobre o processo de desvio na obra. O defensor do ex-deputado declarou que vai recorrer da decisão do TJMG junto ao Superior Tribunal de Justiça, em Brasília.

Novo comentário