23/09/2015 - Janaina Riva pede a vice-governador para expulsá-la do partido; processo é segunda opção

A deputada estadual Janaina Riva (PSD) e o vice-governador Carlos Fávaro (PP) devem se reunir na próxima quarta-feira (23) para definir como será a saída dela e do deputado estadual Gilmar Fabris do PSD. Convidado pelo presidente nacional da sigla, o ministro das Cidades Gilberto Kassab, Fávaro deixará o PP nos próximos dias para se filiar ao PSD e assumir a presidência do partido em Mato Grosso. Sob o comando de Fávaro, será selada a entrada do partido na base do governador Pedro Taques (PSDB).

“Vou tentar resolver amigavelmente com o Fávaro a minha situação. Eu não posso continuar em um partido que entrará para a base governista, depois de ser oposição e disputar as eleições contra a chapa do atual governador. Fávaro disse que se eu continuasse no PSD, deveria me tornar governista, e isso eu não aceito”, disse Janaina ao Olhar Direto.

Há duas semanas Janaina aguarda uma carta de liberação de Kassab para mudar de sigla. Porém, temerosa de que nem mesmo essa autorização seja suficiente para assegurar a manutenção do seu mandato, a deputada vai conversar com o vice-governador sobre a possibilidade de ele expulsar tanto ela quanto Gilmar Fabris do partido, de modo que os dois possam se filiar ao PMDB sem perder o mandato, e sem incorrer em infidelidade partidária.

“Já houve casos em que a carta de liberação não foi suficiente para que o parlamentar continuasse com o mandato. Então vou propor ao Fávaro que nos expulse. Assim teremos segurança jurídica para mudar de partido. Se ele não concordar, então só me restará procurar a Justiça e pedir a desfiliação por justa causa”, disse Janaina.

O advogado da deputada, Rodrigo Cyrineu, disse que há motivos suficientes para a desfiliação por justa causa. “O PSD disputou as eleições de 2014 contra a chapa de Pedro Taques e ir para a base agora é uma mudança radical no programa do partido. Ela pode entrar com ação na Justiça”, afirmou.

Condicionante

Em jantar com Kassab e mais 40 políticos, na última segunda-feira (21), Fávaro afirmou que a desfiliação de Janaina e seu pai, José Riva, além de Fabris, era condição fundamental para que ele aceitasse o convite. "Não é nada pessoal, apenas incompatibilidade de projetos", declarou o vice na ocasião. Desse modo, a expectativa é que a situação política de Janaina e Fabris seja resolvida em um acordo partidário.

O PSD foi fundado em 2011, e sua criação em Mato Grosso foi capitaneada pelo ex-deputado estadual José Riva, que acomodou no partido seu grupo político. Em 2012, o PSD elegeu o maior número de prefeitos e vereadores do estado. Porém, com a derrota de Riva e de sua esposa Janete na disputa pelo Palácio Paiaguás, em 2014, e o fato de não ter elegido nenhum deputado federal, o partido sofreu uma derrocada, agravada pela prisão do seu principal líder, que passou quatro meses no Centro de Custódia de Cuiabá (CCC).

Reunião

Janaina está organizando, ainda, uma reunião com os prefeitos, vereadores e líderes do PSD para discutir o futuro político da sigla, na próxima sexta-feira (25), no Hotel Business Prime, em Cuiabá. Após a entrevista concedida pela deputado ao 
Olhar Direto,
 a assessoria de Janaina encaminhou nota afirmando que a parlamanter que foi eleita de forma legítima, como 48.171 votos, e que se não houver segurança jurídica para deixar a agremiação com sua base, ela permanecerá no PSD.


"Ajudamos a construir o PSD em Mato Grosso e independente de Fávaro ou não, continuo no meu papel de oposição. Quero ouvir cada uma das lideranças e o que for de vontade da maioria será acatado", disse a deputada por meio de sua assessoria.

 

 

Da Redação - Laíse Lucatelli

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário