23/11/2015 - Diagnóstico precoce aumenta chances de cura do câncer

Manhã de uma sexta-feira. Novembro de 2015. No Hospital de Câncer de Mato Grosso (HCan/MT), Aidé Maria da Silva Oliveira, 48 anos, junto a outras dezenas de mães, acompanhava o filho em mais uma consulta. Desde setembro de 2014, a rotina dos dois inclui idas e vindas de Jaciara, onde moram, até o hospital.

Ítalo José, hoje 15 anos, filho de Aidé recebeu o diagnóstico de leucemia tipo B, há exato um ano e dois meses. Um tipo de câncer agressivo que ataca a medula e compromete o sistema imunológico. O susto daquele momento e a luta pela recuperação de Ítalo mudaram Aidé.

Simpática e receptiva, quem a vê não imagina a história de luta e superação, escondida naquele olhar que, às vezes, vai longe. Aidé já vivenciou fases de desespero e, agora, experimenta a certeza de que a luta valeu a pena. Ítalo tem a doença controlada e as consultas, no momento, são periódicas e se resumem a uma vez por semana.

Graças à mãe observadora e ao médico, Ítalo integra as estatísticas de diagnóstico precoce que aumentam em 80% as chances de cura de um câncer. Um machucado que em qualquer garoto cicatriza rapidamente agravou-se, servindo como alerta ao médico que cuidou do adolescente ainda em Jaciara. Exames de sangue repetidos indicaram que o sistema imunológico estava fragilizado e a recomendação era a avaliação de um hematologista.

Ítalo foi encaminhado para a Capital com a recomendação de buscar atendimento na Santa Casa de Misericórdia e no Hospital do Câncer. No dia 19 de setembro de 2014, Aidé teve a confirmação de que o filho tinha câncer. Foram muitos pensamentos e dúvidas, que deixaram a mãe de Ítalo em pânico. Aidé chegou a pensar que a doença do filho tinha a ver com a alimentação oferecida a ele ou algo que havia feito de errado. A história de mãe e filho não termina por aqui, mas é um dos exemplos de que o diagnóstico precoce faz toda diferença em pacientes infanto-juvenis.

Mobilização
A Associação de Amigos da Criança com Câncer de Mato Grosso (AACC/MT) realiza desde o início do mês a Campanha de Diagnóstico Precoce. A proposta reforça o Dia 23 de Novembro, data destinada ao Combate ao Câncer Infanto-juvenil e à promoção de ações educativas e preventivas da doença.

Voluntários e profissionais da área de saúde estarão nesta segunda-feira, na Praça Alencastro, a partir de 7h30, orientando a população e ajudar pais e familiares, na identificação dos sintomas. Mais comum em crianças com menos de 15 anos, a doença se manifesta com sintomas parecidos ao de uma virose corriqueira. Sem investigação aprofundada, o diagnóstico inicial e a prescrição de remédios levam ao atraso na descoberta do câncer.

O médico hematologista do Hospital do Câncer do Estado, George Sampaio, que cuidou de Ítalo, esclarece que as formas de tratamento evoluíram bastante. Segundo ele, pesquisas mostram que a quimioterapia associada à radioterapia podem alcançar 80% de cura da leucemia, dependendo do estado geral do paciente. “Com o diagnóstico precoce a criança não chega tão debilitada para se submeter à quimio e acaba respondendo melhor ao tratamento”, explica o hematologista.

Sintomas
O presidente da Casa de Apoio da AACC/MT, Benildes Firmo, afirma que os pais devem ficar atentos aos sintomas porque a informação pode salvar a vida de seus filhos.
“Diante da menor suspeita é importante explicar detalhes ao médico e solicitar a realização de mais exames para verificar se está tudo bem”. Firmo relaciona alguns sintomas para que os pais fiquem de olho. Anote.

* perda de peso
* pupila branca ou muito dilatada
* dor de cabeça
* manchas roxas
* febre
* palidez
* vômitos
* sangramentos
* dores nos ossos ou juntas
* dores longas na 
barriga
* dificuldade de enxergar

Serviço
Mais informações sobre atividades e projetos desenvolvidos pela AACC/MT, ligue (65) 3025 0800 ou acesse o site: www.aaccmt.org.br

 

 

Priscilla Silva, repórter do GD

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário