24/02/2011 - 09h08 Bomba em creche em MT pode ser represália à Força Nacional na divisa

A bomba de fabricação caseira encontrada na manhã de anteontem em frente à calçada de uma creche do município de Pontes e Lacerda, a 448 quilômetros de Cuiabá, na avaliação do poder público local pode ser um sinal de retaliação à presença da Força Nacional de Segurança na cidade. Mais de 50 agentes mantêm guarda na fronteira seca entre Mato Grosso e Bolívia. O número de agentes não foi confirmado pela assessoria de imprensa da corporação por questões estratégicas.

Para o prefeito da cidade, Nilton Viotto, o episódio causou pânico à população. “Nunca passou nada perto disso. Vou buscar informação para entender por que isso aconteceu e por que a bomba foi colocada naquela localidade. Será que é por conta do efetivo?”, questiona o prefeito.

Assim que foi descoberta dentro de um saco plástico jogado em uma lixeira pelo vigia da creche, a bomba foi retirada do local por um agente da Força Nacional de Segurança especializado em desarmamento de bombas, e encaminhado para perícia na Polícia Técnica (Politec) de Cáceres. Não há prazo para término da perícia. Segundo Viotto, o agente que recolheu o artefato em análise preliminar disse que a bomba, se detonada, poderia causar estragos consideráveis.

Ontem, o município recebeu reforço policial, com envio de helicóptero da Polícia Militar e homens do Grupo Especial de Segurança da Fronteira (Gefron).

 Relatório da Polícia Civil aponta que em apenas os primeiros oito meses de 2010 foram registrados 527 furtos, 16 homicídios, 19 tentativas de homicídio, 17 ocorrências de tráfico de drogas e 11 casos de estupro, entre outros, na cidade. Em contrapartida à escala da violência, o município conta com apenas três viaturas em péssimo estado. Até os quatro coletes de proteção contra disparos usados pelos PMs estão vencidos. Pela quantidade de ocorrências, será inaugurado no município um presídio com 150 vagas.

 

Dhiego Maia
Diário de Cuiabá