24/02/2012 Candidato da "próxima eleição", juiz Julier lança blog com direito a contato direto

 

Com o nome sempre cotado para ingressar na carreira política e disputar “a próxima eleição”, o juiz federal Julier Sebastião da Silva – que formou uma espécie de dupla implacável ao lado do então procurador José Pedro Taques, atual senador pelo PDT – lançou esta semana um blog que define como “dedicado a temas institucionais e jurídicos nacionais e do estado de Mato Grosso”. Com direito a um “Fale Comigo”. O comunicado do blog foi lançado via mala direta de correio eletrônico da própria Justiça Federal.

“Inúmeros magistrados têm disseminado a iniciativa de aproximar a justiça do povo, valendo-se de espaços virtuais como o presente. Juízes pioneiros lançaram-se ao desafio de construir caminhos na internet, mediante blogs, sítios específicos e redes sociais, rompendo barreiras edificadas ao longo de séculos entre o Estado e o cidadão” – justifica o juiz. 

O primeiro artigo postado por Julier trata da imigração e reciprocidade entre Brasil e Estados Unidos. Ele trata da mudança do comportamento da política de migração americana em relação aos brasileiros e lembra de uma decisão histórica e polêmica quando deferiu uma medida cautelar, determinando à União que adotasse os mesmos procedimentos promovidos nos postos de imigração americanos em relação aos brasileiros.

Pela decisão,  os cidadãos norte-americanos tiveram que ser  fotografados e também recolhidas suas impressões digitais quando entrassem em território brasileiro, assim como as autoridades do EUA vinham exigindo em relação aos turistas brasileiros em trânsito por aquele país.

No link decisões, o magistrado postou o que talvez tenha sido uma de suas grandes marcas, ao lado de Pedro Taques: a decisão que determinou, em 2002, a prisão de João Arcanjo Ribeiro, acusado de chefiar uma poderosa organização criminosa, com ramificações regional, nacional e internacional, que explora diversas atividades ilegais como o jogo do bicho, os jogos de caça-níqueis, contrabando das máquinas eletrônicas respectivas, pistolagem e vultosos investimentos no exterior com o dinheiro obtido nas ações criminosas. Arcanjo foi acusado ainda na mesma ação de cometer três homicídios e uma tentativa.

Além da questão envolvendo Arcanjo, das mãos de Julier saíram decisões polêmicas. É dele, por exemplo, a determinação de prisões envolvendo políticos ou de pessoas próximas a eles. O  alvo preferencial são as mega-operações, como Jurupari, que tratou de roubo de madeira em terras indígenas, e a Pacenas, que colocou atrás das grades secretários municipais envolvidos em fraudes em licitação com verbas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), entre outras. Neste momento, está nas mãos do magistrado a questão envolvendo o superfaturamento de máquinas adquiridas pelo Estado com recursos no BNDES, o chamado “Caso dos Maquinários”.

Após uma breve apresentação, Julier Sebastião da Silva faz questão de deixar claro o “caráter institucional deste espaço e o seu intuito de fortalecimento democrático entre o povo e os membros do Poder Judiciário”.

Julier, no entanto, vem sendo apontado como virtual candidato ao Senado Federal para ocupar o lugar de Pedro Taques em 2014. Taques, de acordo com o projeto político vazado, seria candidato ao Governo do Estado, numa composição política eleitoral como PSB de Mauro Mendes, que estaria propenso a receber apoio de Taques e do seu partido para as eleições deste ano, a prefeito de Cuiabá. 

O magistrado federal  também recebeu convite do PT para ser candidato a prefeito de Cuiabá. Antes de ingressar na magistratura, o juiz foi assessor jurídico da Pastoral da Terra, a CPT, uma das organizações baseadas dentro da Igreja Católica, que formaram a base da construção do PT.

 

Edilson Almeida

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário