24/04/2012 - Garoto que leu 274 livros e sonha ser piloto ganha livros da Aeronáutica

 

Após ler 274 livros em competição, Waldir diz que adquiriu o hábito da leitura.

Desejo de ter livros sobre o sonho de ser piloto motivaram membros da FAB.

 

Waldir Chagas Sidnei de Souza, um menino de 11 anos que leu 274 livros em apenas sete meses, garante que continua sendo um leitor assíduo e que tem uma motivação a mais para praticar seu hábito preferido. “Continuo lendo muito. Eu gosto muito de ler e agora estou com livros novos”, explicou. O pequeno morador da zona rural de São Félix do Araguaia, a 1.159 quilômetros de Cuiabá, que sonha ser piloto de avião, recebeu um presente especial da Força Aérea Brasileira (FAB).

 

Em dezembro do ano passado, Waldir foi o campeão de um projeto desenvolvido pela escola rural Nova Suia, com o objetivo de incentivar a leitura. Ele leu 274 obras no total, sendo que 224 eram livros e 50 eram gibis. "O projeto 'Leituras e Resumos' foi desenvolvido com os coordenadores da escola, juntamente com os pais, para motivar as crianças a ler como complemento à disciplina de língua portuguesa”, explicou a mãe e professora do menino, Renilda das Chagas, idealizadora do projeto.

 

Em entrevista ao G1 na época da competição, Waldir disse que tinha o sonho de ser piloto, no entanto, não tinha livros sobre o assunto. “Quando eu crescer quero ser piloto da Aeronáutica. Mas ainda não achei nenhum livro sobre isso”, afirmou o garoto na época. Mas em fevereiro deste ano, Waldir teve um novo motivo para comemorar. Isso porque oficiais do Destacamento de Controle do Espaço Aéreo de São Félix do Araguaia (DTCEA-FA) o presentearam com uma coleção de obras e revistas com a temática. Waldir ganhou cerca de 40 novos livros, além de três DVDs sobre a Força Aérea Brasileira.

 

O primeiro-tenente do destacamento de São Félix do Araguaia, João Luis Coelho da Silva, disse ao G1 que a história de Waldir foi descoberta pelo Centro de Comunicação Social da Aeronáutica (Cecomsaer), situado em Brasília (DF), e emocionou os funcionários da FAB. “Ficamos sabendo primeiro da reportagem do G1, da história do menino Waldir e que ele venceu o projeto Leituras e Resumos da escola do assentamento. E nos chamou atenção o que ele falou em uma das frases dele, de sonhar em ser piloto e que não tinha livros sobre isso. Aquilo nos motivou e emocionou”.

 

Além dos presentes, Waldir ganhou ainda uma visita à unidade da Aeronáutica. Junto com os pais, professores e autoridades locais, ele viajou quase 100 quilômetros para conhecer as instalações e o funcionamento dos radares e sistemas de comunicação do destacamento de São Félix do Araguaia. “Eu gostei muito, principalmente do radar. É tudo muito legal lá”, disse o menino.

 

De acordo com João Luis Coelho, no destacamento não há aeronaves, o que não possibilitou fazer um voo com o garoto. No entanto, o tenente garante que ficou com a certeza que Waldir gostou da visita e mantém a vontade de ser piloto. “Os olhos dele ficavam brilhando enquanto conhecia tudo. Eu abri uma revista para ele com todas as profissões que têm na Aeronáutica e disse assim 'olha Waldir, dá para você ser controlador de voo, mexer com radar...', mas na hora ele me disse 'mas eu quero ser piloto'”, recordou com bom humor.

 

O tenente afirma ainda que a história de Waldir e a determinação do menino com a leitura e com o sonho de voar os tornaram uma pessoa melhor. “Para mim é motivo de orgulho e nostalgia ver um menino como ele, que tem uma condição social baixa, ser tão dedicado, determinado, sabendo o que quer. Isso me impulsionou para que eu fizesse mais. Me motivou mais. Vou tentar ajudar a escola do Waldir agora com computadores. Ele [Waldir] me informou que sua escola não possuía nenhum computador e neste momento, aqui em Manaus [onde o tenente estava no momento da reportagem], estou envidando esforços para conseguir realizar o seu desejo”.

 

João Luis Coelho relata ainda que viu em Waldir o menino que ele foi no passado. “Também vim de uma família humilde, tive sonhos, tive que lutar para conseguir chegar onde cheguei e hoje eu o vejo espelhando o que eu era no passado. Foi muito gratificante. Isso nos incentiva a fazer mais. Vi naquele menino humilde, o filme da minha própria história. Foi emocionante”, enfatizou.

 

Para realizar o sonho de Waldir de voar, o tenente planeja promover um torneio de redações entre as escolas de São Félix do Araguaia e premiar os alunos com um passeio de avião. “Para o 12º aniversário do Destacamento eu estou planejando promover jogos envolvendo as escolas da cidade. E conversar com a companhia aérea que trabalha por aqui, entregar um ofício para eles, e ver se consigo uns 15 ou 20 minutos durante uma escala deles para voar com as crianças. E levá-las através de um sorteio ou concurso de redação. E eu quero incluir a escola do Waldir”, pontuou.

Do G1 MT

Comentários

Data: 25/04/2012

De: Futuro

Assunto: Sonho

Vai em frente guerreiro,està no caminho certo.

Data: 24/04/2012

De: Lider

Assunto: Sonhor

Vai fundo garotinho com esse sonhor que vc conhecegue, basta vc quere....Boa sorte....

Novo comentário