24/04/2014 - Profissionais da região do Norte Araguaia são capacitados pela EMBRAPA

Entre os dias 14 e 16 de abril, Embrapa e parceiros realizaram um módulo de nivelamento de Capacitação Continuada nas Cadeias Produtivas em Mato Grosso. Essa é uma edição estratégica, que objetivou inserir novos agentes de assistência técnica e extensão rural de todo o estado no programa já em andamento das Capacitações Continuadas. Este módulo introdutório foi realizado na Embrapa Agrossilvipastoril em Sinop (MT). 

 

A realização desta capacitação surgiu como forma de atender a uma demanda da Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM) e SEDRAF MT, que, em consulta às prefeituras do estado, verificou a demanda e o interesse de técnicos por cursos em suas áreas de atuação. A consulta foi estendida para o SENAT/MT e OCB/MT. Atualmente a Embrapa Agrossilvipastoril já coordena no estado processos de capacitação continuada nas cadeias produtivas de leite, pecuária de corte, fruticultura, mandiocultura, olericultura, piscicultura, apicultura, sistemas agroflorestais, biodiesel e integração lavoura-pecuária-floresta (iLPF).

 

Assim, este evento foi uma forma de incluir novos participantes nas atividades já em andamento. Para isso, a programação contou com uma apresentação da metodologia das capacitações continuadas e com a discussão de temas comuns a todas as cadeias produtivas, como correção do solo, restauração ecológica e gestão de propriedades. Também foi programada visita ao Sítio Tecnológico da Embrapa Agrossilvipastoril e reuniões específicas sobre cada uma das cadeias produtivas contempladas pelo programa.

 

Após participarem deste módulo introdutório, os técnicos serão separados por área de atuação e receberão conhecimento de maneira intensiva, para que, num curto espaço de tempo, sejam inseridos nas turmas mais avançadas de suas respectivas cadeias produtivas.

 

A programação do evento ainda abordou o Projeto Voltar a Querer que consiste em um plano de desenvolvimento de agricultura familiar para o estado de Mato Grosso. O projeto é uma parceria entre a AMM e o grupo dos 20, composto por 23 municípios. A capacitação de técnicos é uma das estratégias do programa.

 

Para o biólogo pós-graduado em biotecnologia Aldney Milhomem como conta a própria criação da EMBRAPA e o crescimento da produção de alimentos do país, esse recursos (tecnologia) é essencial para o desenvolvimento regional, sabemos que sem conhecimento chegaremos a lugar algum. A idéia é criar, construir um centro demonstrativo, organizar a melhor maneira de trabalhar melhor com o produtor através de pesquisa e capacitação, criar estratégias regionais, colocar os produtos em rede e alcançar as gôndolas dos supermercados, é importante  pensar regionalmente a EMBRAPA quer que façam,os os serviços de casa, temos que validar essas informações em nossas região.

 

O pesquisador e chefe de Transferência de Tecnologia da Embrapa Agrossilvipastoril Lineu Domit, enfatizou sobre a importância da participação do Biólogo Aldney Milhomem da Prefeitura de São Felix do Araguaia e da Eng. Agrônoma Angela Milhomem Secretária de Agricultura e Meio Ambiente da Prefeitura de Alto Boa Vista, que participaram ativamente de toda programação do treinamento inicial – Módulo Zero, assumindo o compromisso de, no retorno para a sua região, iniciar o processo de organização dos produtores e planejamento das Unidades de Referência Tecnológica – URT para que, à medida que forem adquirindo conhecimentos e tecnologias nos próximos módulos de treinamento que serão programados ainda em 2014, desenvolvam uma assistência técnica efetiva para os produtores rurais, em especial para os agricultores familiares. Com certeza, afirma Lineu, poderão tornar-se, num curto período de tempo, os principais multiplicadores de tecnologias da Embrapa na Região Norte do Araguaia.

 

 

 

Vanessa Lima com Sergildo Ribeiro Gonzaga/O Repórter do Araguaia

Comentários

Data: 19/05/2014

De: Geraldo David

Assunto: Busca de Conhecimento

Parabéns Aldney
A busca de novas técnicas e do conhecimento é muito salutar, principalmente, em se tratando de uma região tão esquecida pelos poderes como a do Baixo Araguaia, oportunidade como essa tem que ser aproveitada sempre e depois ser propagado o aprendizado.

Novo comentário