24/05/2016 - Rusga entre Cunha e Renan expõem fragilidades de Temer no Congresso

24/05/2016 - Rusga entre Cunha e Renan expõem fragilidades de Temer no Congresso

Se o presidente afastado da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ajudou como pode a avançar com o processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, o presidente em exercício Michel Temer não pode esperar o mesmo do correligionário que comanda o Senado. Renan Calheiros (PMDB-AL) tem marcado posição própria no jogo.

Diferentemente de Cunha, Renan visitou a presidente afastada acompanhado do vice-presidente do Senado, Jorge Viana (PT-AC). O senador petista ressaltou que Renan tem tido um papel institucional que deve ser respeitado.

“Ele se reúne com MichelTemer, ele é do PMDB, isso ninguém põe dúvida, mas ele conversa com todo mundo aqui. E eu acho muito boa a atitude do presidente Renan de, por exemplo, tendo alguma motivação, interesse, conversar quantas vezes for necessário com a presidente Dilma, com o presidente Michel Temer e com o presidente do Supremo, Ricardo Lewandowski", disse o petista.

Além de tentar preservar uma postura descolada do processo, Renan também se esforça para se distanciar de Eduardo Cunha.

Na quinta-feira (19), Renan questionou a escolha do deputado André Moura (PSC-SE) para líder do governo. A indicação de Moura teve aval de Cunha.

"O que o parlamento e as pessoas perguntam é: ‘O André Moura para quê?’. É isso que tem que ficar claro. Quais são os compromissos? O que é que ele vai fazer para colaborar com o Brasil no aperfeiçoamento institucional? O que vai poder fazer?”, disse ao Globo.

E emendou:

"Vamos dar efetividade em uma Casa às matérias que foram aprovadas na outra Casa? Ou vamos segmentar, não deixar na Câmara nada que andou no Senado e vice-versa? Quando o sistema bicameral caminha desta forma, ele caminha muito mal."

As diferenças entre Cunha e Renan fizeram com que as Casas não conversassem no governo Dilma Rousseff. Tanto a Câmara quanto o Senado patrocinaram reformas políticasao mesmo tempo e de formas diferentes.

Embora o governo em exercício seja do PMDB, não há mudanças na pauta do Legislativo. Apesar de Cunha não estar mais no comando da Câmara, ele ainda tem influência sob os parlamentares e capacidade de pautar temas relevantes da Casa.

Desavenças

Também na quinta-feira, Renan rebateu as críticas de Cunha sobre a suposta falta de celeridade no processo do presidente do Senado que corre no Supremo Tribunal Federal. "Repilo a obsessão do deputado Eduardo Cunha com meu nome."

 

Agencia Brasil

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário