24/06/2014 - Polícia Federal apreende 320 kg de cocaína descarregada de avião em MT

Droga tinha acabado de ser descarregada de avião em pista clandestina. Entre os presos por tráfico internacional estão um boliviano e um espanhol.

 

A Polícia Federal (PF) apreendeu 320 quilos de cocaína durante uma operação contra o tráfico internacional de drogas neste domingo (22) numa fazenda próxima ao município de Poxoréo, a 259 km de Cuiabá. Os agentes flagraram o momento em que a droga era descarregada e prenderam os envolvidos.

A entrada de droga oriunda de países vizinhos como a Bolívia por meio de arremessos e descarregamento de aeronaves pequenas em pistas clandestinas tem sido recorrente em Mato Grosso, conforme as últimas apreensões policiais.

A assessoria de imprensa da PF, que divulgou a ocorrência deste domingo, não informou o número total de presos, limitando-se a anunciar que, entre eles, estão um boliviano e um espanhol. Eles devem responder por tráfico internacional de drogas. As poucas informações divulgadas pela PF até o momento dão conta de que a operação foi motivada por denúncia de uma pista de pouso clandestina que estaria sendo utilizada para descarregamento de droga oriunda da Bolívia por meio de pequenas aeronaves. A propriedade rural seria próxima à terra indígena de Jarudore.

De acordo com a PF, ao chegarem à fazenda os agentes conseguiram visualizar um avião prestes a pousar na pista. Dois veículos já estavam posicionados ao lado. Assim que o avião conseguiu pousar, teve início o descarregamento da droga para um dos carros. O entorpecente estava armazenado em tabletes enrolados com sacos plásticos.

Segundo a assessoria de imprensa, assim que o descarregamento foi concluído os agentes da PF deram voz de prisão aos envolvidos, inclusive aos estrangeiros. Os dois veículos utilizados no descarregamento da droga também foram apreendidos.

Todos foram encaminhados à Delegacia da PF em Rondonópolis, a 212 km de Cuiabá. A pena pelo crime de tráfico de drogas internacional varia de cinco a 15 anos de reclusão.

 

 

 

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário