24/09/2012 ESPOSA DE ISMAEL KARAJÁ MORTO NA RIO+20 DESABAFA SEU SENTIMENTO

Habearu Karajá procurou “O Repórter do Araguaia” para desabafar o seu sentimento de revolta quanto ao tratamento que foi dado ao seu esposo Ismael Kurananá, 48 anos da etnia karajá encontrado morto em uma rede no dia (22/06), no alojamento indígena montado na Aldeia Kari-Oca em Jacarepaguá, na Zona Leste do Rio de Janeiro no evento da Rio+20.

Segundo Habearu, Ismael passou mal e foi levado para o hospital com fortes nas costas, e lá foi medicado e trazido de volta para o acampamento onde fora colocado em um barraco desconfortado, poderiam ter colocado ele em um lugar mais quentinho, ou seja, adequado, estava muito frio para ela isso fez com que seu esposo piorasse ainda mais e viesse a falecer.

A morte de Ismael Kurananá cancelou todas as cerimônias festivas que estavam planejadas para o evento onde estava reunidos 420 índios que participaram da Rio+20, em solidariedade ao companheiro morto, todos as etnias resolveram ir embora mais cedo.

No entanto, Ismael morreu lutando para entregar um documento para representantes da ONU.

Habearu Karajá irá lutar por uma indenização no valor de 200.00,00 (duzentos mil reais) que segundo ela é de direito


Texto: Ivone Lima, Entrevista: Vanessa Lima
O Repórter do Araguaia com Pontal do Araguaia News

 

Comentários

Data: 25/09/2012

De: Luciano Kotxiri

Assunto: Morte de Ismael

Minha madrasta quero que saiba que mesmo morando longe, estarei sempre ajudando a minha familia no que eu poder, sei que a morte do meu pai não vai ficar em vão, e sei tambem que essa quantia pedida não vale a vida do meu pai mais ajuda, nós todos estamos sentindo muita falta dele pois ele foi muito cedo, tinha a vida toda pela frente, mais eu não vou está sempre por perto amo voces!!

Data: 24/09/2012

De: Elioman Chaves

Assunto: Morte de Ismael Karajá Rio + 20

Cara Habearu, apoio a sua indignação pelo descaso que passou seu marido, ao ver seu comentario acho que ele não foi nem diagnosticado por médicos.
E vc não tem a quem recorrer, abra um processo judicial processando o responsável, organizador do evento.
Pois a Funai com a reestruturação do Decreto 7056/2009 literalmente desmontou toda a estrutura administrativa da Funai em suas bases, fracasso.
Decreto 7778/12 desastre final o que torna a Funai Desmontada, a SESAI Inoperante e o Mec Ausente. É obivio concluir que os povos indígenas estão literalmente entregues à própria sorte e por força da necessidade submetidos à miseria...
Não desista busque seus direitos.

Novo comentário