24/09/2014 - Advogado diz que a denúncia não foi julgada e acusa Taques de enganador

O coordenador jurídico da coligação Amor à Nossa Gente, José do Patrocínio, afirma que o candidato ao Governo Pedro Taques (PDT) usa de decisão judicial para atingir fins eleitoreiros.  O advogado explica que a Justiça ainda não julgou o mérito da denúncia de  abuso de poder  econômico formulada pelo adversário Lúdio Cabral (PT) contra o pedetista, que já divulgando que o Tribunal Regional  Eleitoral (TRE) teria o inocentado.  

 

 Em relação à decisão judicial que pede a suspensão imediata da propaganda eleitoral da coligação liderada por Lúdio citando suposto crime eleitoral cometido por Taques, Patrocínio explica que a determinação judicial está relacionada somente irregularidades no programa e não de crime eleitoral. “A Justiça não disse que Taques não cometeu crime. Estão tentando passar à população a falsa interpretação nesse sentido.”, disse o advogado.

 

 Patrocínio também  garantiu que vai apresentar denúncia contra o candidato da oposição  por divulgar dados inverídicos da decisão. Ele ainda ressalta que Taques tenta usar da Justiça Eleitoral para atacar Lúdio e diminuir a gravidade da denúncia de abuso de poder econômico da qual terá que se explicar no  TRE.  

 

O advogado afirma que resolveu se pronunciar após a assessoria de Taques distribuir na tarde desta terça (23) declaração usando o nome da Justiça Eleitoral para afirmar que o parlamentar não cometeu nenhum crime com distribuição de comida e bebida para mais de 100 pessoas na semana passada. Entretanto, Patrocínio sustenta que a denúncia não foi sequer julgada ainda.

 

Para Patrocínio, certidão da Justiça Eleitoral comprova a distribuição de comida e bebida para mais de 100 pessoas no posto de combustível onde continha farto material de campanha de Taques, o que é proibido por tratar-se de bem de uso público e demonstra que o local funcionava como um comitê clandestino. De acordo com advogado, o candidato da oposição estaria anunciando que a certidão seria uma comprovação de sua inocência.

 

 Decisões

A juíza do TRE Ana Cristina Silva Mendes proibiu mais duas propagandas eleitorais de Taques. Na primeira, o pedetista usa de insultos, segundo a magistrada, para vincular Lúdio Cabral (PT) ao governador Silval Barbosa (PMDB). Na outra, usa de montagem para tirar proveito irregular das peças publicitárias.

 

 Segundo a assessoria de Lúdio, as decisões demonstram mais uma vez como a campanha de Taques baixa o nível do debate eleitoral e tenta prejudicar Lúdio  enquanto o senador prega nos programas eleitorais que faz uma campanha limpa. 

 

 

Larissa Malheiros