25/01/2011 11h:59 Desempregados agora são atendidos por agendamento no Sine

O Sine/MT agora está atendendo os trabalhadores que precisam dar entrada no seguro-desemprego por agendamento. A pessoa vai até a unidade e deixa nome e telefone para que um funcionário ligue posteriormente informando data e horário do atendimento. O sistema foi adotado após denuncia de que as pessoas estariam ficando até 24 horas na fila a espera de uma senha.

No dia 14 de janeiro o Blog da Sandra Carvalho denunciou o drama vivido por centenas de trabalhadores em busca do benefício do seguro-desemprego em Cuiabá e Várzea Grande. Pessoas de todas as idades chegavam a passar um dia inteiro na fila para pegar a senha e depois ainda enfrentar uma longa jornada para o atendimento propriamente dito.

Há meses o problema persistia sem que nenhuma medida fosse adotada para evitar o que os trabalhadores chamavam de “sofrimento”. Até a Polícia Militar teve que ser acionada para conter o tumulto na porta do Sine, ao amanhecer, por conta do desentendimento entre os desempregados por causa de senhas.


“Agora melhorou muito”, declarou hoje a técnica de enfermagem Lucicleide Catarina dos Santos, 31 anos, que perdeu recentemente o emprego e busca o benefício oferecido pelo Governo Federal. “Ainda bem que agora não é preciso mais passar a noite na porta do Sine”, comemora.

Este blog publicou dia 13 de janeiro:

 

Trabalhadores ficam até 24 horas na fila por seguro-desemprego e polícia intervém

Dar entrada no Seguro-Desemprego em Cuiabá e Várzea Grande já está virando caso de polícia. Há pessoas que chegam às 14 horas de um dia e só saem no dia seguinte para garantir o benefício.


Ontem (13-01), uma viatura da PM compareceu ao Sine de Várzea Grande para conter o tumulto na disputa pelo atendimento, ainda na madrugada. A confusão acontece porque são apenas 45 senhas por dia e que são entregues por ordem de chegada. Diante disse, os trabalhadores passaram a chegar cada vez mais cedo a fim de conseguir um número. Resultado: tem gente chegando no dia anterior.

Na tentativa de “organizar” o atendimento, os trabalhadores desempregados, por conta própria, estão distribuindo senhas às 19 horas. Anteontem, de posse do número (improvisado), as pessoas pegaram suas senhas e foram embora pra casa. Enquanto isso, outras chegaram mais tarde e, sem saber da tal distribuição de senhas da noite anterior, ficaram na fila por ordem de chegada.

Ao amanhecer, aquelas que pegaram a senha e foram embora começaram a retornar e aí encontraram um enorme fila dos que chegaram posterior a distribuição dos números. E a confusão foi inevitável, situação que tem ocorrido diariamente. “Esses dias um homem ficou tão bravo que foi embora dizendo que ia buscar uma arma”, contou a serviços gerais Maria José da Hora.

Ontem à noite, a situação se repetiu. Jussara Constança, 48 anos, chegou às 14 horas na porta do Sine e ali ficou, já na expectativa de garantir a senha no dia seguinte. Outras pessoas foram chegando paulatinamente. Às 19 horas, Rafael Benedito da Silva, 39, tomou a decisão de distribuir senhas. Fez 45 papéizinhos enumerados e entregou às pessoas que ali estavam. Feito isto, foi embora dormir, assim como os demais, com exceção de Jussara que permaneceu no local com medo de perder a vaga.

Homens e mulheres de todas as idades e inclusive crianças passam a noite na porta do Sine de Várzea Grande para dar entrada no Seguro-Desemprego. Cansados, muitos dormem pelo chão ou dentro de veículos. Muitos levam lanche para matar a fome. Depois de pegar a senha oficial do Sine, às 7h30, os que tem número maior ainda enfrentam longa espera pelo atendimento durante todo o dia.

O sistema lento e frequentes problemas no sistema, cuja manutenção é feita por uma empresa de outro estado, estaria contribuindo para aumentar o tempo de atendimento aos trabalhadores.

Blog da Sandra Carvalho