25/02/2011 - 10h:32 Soldado é demitido da PM por pagar as contas com cheques sem fundos

O Comando Geral da Polícia Militar do Estado de Mato Grosso não está ‘perdoando’ policiais que foram considerados culpados em conselho disciplinar, por atos não condizentes com o exercício da profissão. No decorrer da semana já são 11 os excluídos das fileiras da PM, incluindo os quatro publicados hoje, no Diário Oficial do Estado.

Um deles, Auremar Roberto Alves, foi mandado embora porque efetuava compras com cheques sem fundos; comprar uma motocicleta com cheque furtado; usar o nome da corporação para adquirir materiais de construção para uso próprio; ter exigido vantagem econômica sob o pretexto de liberar um veículo e, pedido de vantagem econômica de um motorista para cancelar uma multa, tendo recebido para tal a importância de R$ 60. Os desvios de conduta de Auremar foram em 2007 e 2008, nos municípios de Cuiabá, Várzea Grande e Rosário Oeste.

O 3º sargento Jean Carlos Ribeiro Barcelos Ferreira foi excluído por contrair e esquivar-se de divida referente à conta de água e energia elétrica de imóvel alugado; por ter praticado agressões verbais e ameaça contra a 2º tenente Vanessa Regina Cícero de Sá Corrêa, na época aluna à Oficial PM, quando mantinham uma relação amorosa; por ter se apossado de material bélico (bomba de efeito moral) em instrução militar e, ainda, por frequentar local incompatível com a função de policial militar (local de tráfico de drogas).

Já Maikon Gonçalo Taques foi demitido porque responde a processo crime na 3ª Vara Criminal de Várzea Grande, por estar diretamente ligado a quadrilha que alimenta o tráfico de entorpecente no Estado de Mato Grosso e pelo país afora.

Outro que recebeu a carta de demissão é o soldado Oziel Felipe de Oliveira, por ter, no ano de 2009, em Itaúba, ameaçado populares em uma sorveteria, perseguir três jovens que estavam em um táxi e, ainda, reagido a prisão efetuada por três policiais daquele município.

 

De Sinop - Alexandre Alves