25/05/2011 - 10h:20 Vergonha em MT: O descaso com pacientes no hospital Adauto Botelho

 Vinte anos após ser interditado pelas condições sub humanas a que eram submetidos os pacientes com doenças psiquiátricas do Hospital Estadual Adauto Botelho, em Cuiabá, vive novamente uma situação de calamidade, digna de uma ação enérgica da Vigilância Sanitária e do Ministério Público. Faltam leitos, colchões, medicamentos, ventiladores e até lâmpadas. Pacientes dormem como animais, no chão puro ou apenas sob um cobertor. Outros dormem em cima dos ferros de camas enferrujadas e quebradas.

 
“Eu choro, sinto vontade de ir embora e não voltar nunca mais aqui”, diz uma profissional de saúde lotada no hospital, relatando que o prédio antigo apresenta ainda problemas como infiltrações, falta de chuveiro e inclusive de vasos sanitários. Há alas em que o paciente faz as necessidades apenas no buraco que ficou no chão por falta de reposição do vaso. Tomadas quebradas e gambiarras são um risco iminente de um paciente com transtorno mental morrer eletrocutado. Apesar do esforço dos funcionários em manter as alas limpas, o péssimo estado do ambiente favorece um terrível cheiro por todos os lados.
 

Pacientes são submetidos a situação deprimente. Hospital é de pequeno
porque e deveria ser excelência em estrutura e serviço.
Outro servidor reclama da falta de medicamentos básicos, como Amplictil de 100 mg, Prometazina injetável, Milheril e até mesmo anti-hipertensivos como Captropil e Propanolol. “A Secretaria Estadual de Saúde tem conhecimento desta situação porque já foram feitas várias reclamações sem nenhum retorno”, conta.
 
Sem leitos e colchões, muitos ficam pelo chão ou dormem em camas quebradas, sem nenhuma proteção. Na ala feminina a cena deprimente se repente. Muitas mulheres dormindo no chão por falta de leitos, embora tenha espaço físico.
Dois homens dormindo no mesmo colchão.

“Me sinto angustiado, muito triste mesmo de ter que ver diariamente esta situação e saber que o Governo do Estado tem recursos para investir em Organizações Sociais, mas finge não conhecer o estado deplorável deste hospital público”, desabafa um dos profissionais, para quem o SUS seria o melhor plano de saúde para a população se fosse gerido com responsabilidade e compromisso com a vida.

Outra questão denunciada pelos servidores é a falta de critérios e estrutura para a internação de pacientes encaminhados pela Justiça. São infratores de toda a sorte internados junto com os demais pacientes, quando o correto seria ter uma ala de segurança.

Banheiro em péssimas condições, sem vaso sanitário.
Vale ressaltar que o Adauto Botelho é o único hospital do Estado para pacientes com doenças psiquiátricas e nem seria necessário outro porque a demanda é menor é há cerca de dez anos teve início o processo de desospitalização na Saúde Mental. E por isso mesmo, pelo fato de ser o único e ter uma demanda menor, deveria ser excelência em estrutura e serviços.

O que se vê é o Governo do Estado incapaz de gerir até mesmo um pequeno hospital do porte do Adauto Botelho, já que se diz incompetente para administrar a saúde no estado ao entregar grandes unidades públicas de saúde à iniciativa privada. Qual é a mágica que o Governo apresenta para este caso?
 
 
Blog: Sandra Carvalho
Apesar do preço de um colchão ser irrisório para a estrutura
do Estado, pacientes psiquiátricos dormem no chão.



Não há colchão. Paciente deitado apenas sobre lençol.

 

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário