25/07/2012 - Para evitar "calote", traficante vendia drogas nos cartões de crédito e de débito

 

É incrível e parece até mentira. Simplesmente contando ninguém acredita. Em Cuiabá, um traficante resolveu inovar e passou a vender droga nos cartões de crédito, inclusive parcelado, e à vista no cartão de débito É claro que o banco não sabia que a mercadoria que estava sendo vendida era droga, mas o traficante sabia que com isso evitava os “calotes” e de ter que mandar executar usuários, mulas e atravessadores que compram drogas e não pagam.
 
Usando uma Lan House, instalada na Rua Alan Kardec, no bairro Santa Isabel, em Cuiabá, como “fachada”, o traficante guardava em casa, pelo menos 15 quilos de maconha que vendia, tanto para pessoas que fingiam usar os computadores da casa, como para usuários que ligavam e faziam suas “encomendas”.
 
Um homem conhecido como “Japão do Santa Isabel” de 24 anos, fugi antes da chegada da Polícia. A mulher dele, identificada como Keziane Franciele Shinizu Ravedutti de 29 anos, ainda teria tentado abandonar um tablete de maconha, mas foi presa. Franciele nega o envolvimento com o tráfico de drogas.
 
 
No local, a Polícia Militar encontrou ainda cerca de 12 tabletes de maconha, uma balança de precisão, uma máquina de cartão de crédito. Franciele também  negou que na casa funcionasse uma “boca”, e que aceitava cartões de crédito e de débito.
 
A mulher foi transferida para a Central de Flagrantes do bairro Planalto para ser autuada em flagrante por crime de tráfico de drogas, e o o marido dela continua sendo procurado pela Polícia Militar.
 
O Boletim de Ocorrência também será encaminhado para a Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE) da Polícia Civil, para novas investigações. Na casa de Japãozinho a PM só encontrou maconha, mas existem denúncias de que ele vendia todos os tipos de drogas.
 
José Ribamar Trindade
Redação 24 Horas News

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário