25/09/2013 - Lúcia Maggi é a 38ª bilionária mais rica do País; lista é composta por 124 afortunados

A célebre lista dos mais ricos do mundo formulada pela revista norte-americana Forbes desperta o interesse de grande parcela da população. A ‘Forbes Brasil’, braço tupiniquim da publicação yankee, divulgou na edição de agosto a lista dos brasileiros mais ricos em 2013. A mãe do senador Blairo Maggi (PR) aparece em 38º lugar como a brasileira com a maior fortuna entre os 124 bilionários listados na publicação.

Lúcia, 81 anos, viúva de André Maggi, falecido em 2001, possui fortuna de R$ 4,10 bilhões. Dos 124 bilionários que compõe a lista, 21 são mulheres e deste total quatro são viúvas. Dentre as mulheres, Lúcia só fica atrás de outras seis.

No ranking das viúvas, só Ana Maria Levy Villela Igel, 70 anos, aparece na frente da matriarca do clã Maggi. Com patrimônio avaliado em R$ 4,41 bilhões, Ana Maria é herdeira do grupo Ultra, dono dos postos Ipiranga e da Ultragaz.

A mulher mais rica da lista não é uma, mas três irmãs, que dividem uma fortuna de R$ 22 bilhões. As herdeiras de Sebastião e Dirce Camargo (que morreu em abril, aos 100 anos), do grupo Camargo Corrêa, embolsaram cada uma R$ 7,46 bilhões.

A lista é encabeçada pelo sócio da AB Inbev Jorge Paulo Lemann, que tem uma fortuna estimada em R$ 38,24 bilhões. O empresário Eike Batista, que já ocupou o posto de sétimo homem mais rico do mundo e aquele com a conta bancária mais gorda do Brasil, caiu para 52ª posição neste ano, após sucessivos problemas que acometeram suas empresas..


Biografia
A história de Lúcia Maggi e de sua família foi tema de reportagem de capa da revista Dinheiro Rural. Rodeada pelos cinco filhos, Fátima, Rosangela, Marli, Blairo e Vera, a matriarca conta como o Grupo André Maggi, um dos maiores produtores de soja do mundo, chegou onde está. “Viemos para Mato Grosso, em 1977, porque acreditávamos na agricultura, como acreditamos hoje”, declarou Lúcia à publicação.

O Grupo André Maggi é uma holding que controla quatro divisões de empresas ligadas ao agronegócio, que nas palavras da jornalista Vera Ondei, faz de tudo (ou quase): do plantio, processamento e comércio de grãos, produção de sementes, reflorestamento, pecuária, venda de fertilizantes, geração de energia elétrica, administração portuária, transporte fluvial, exportação e importação.

Identificada como uma senhora de ‘sorriso largo e opiniões fortes sobre tudo o que diz respeito aos negócios da família’, Lúcia é tida como o ponto de convergência dos destinos da empresa e de seus cinco filhos, informa a reportagem, que em dado momento, informa: “Nenhum deles toma decisões sem antes pedir-lhe a bênção”.

A tempo: a história de Dona Lúcia já lhe valeu uma autobiografia intitulada 'O Olhar da Fortaleza'.

 

Escrito por Rodrigo Maciel Meloni/Agro Olhar 

 

Comentários

Data: 26/09/2013

De: Sônia

Assunto: Dona Lúcia Maggi

Gostaria muito de ler, esta autobiografia "O olhar da fortaleza". Parece ser uma história mui interessante.

Novo comentário