25/10/2012 - Lula causa comoção e ‘provoca’ adversário: governar não é como administrar empresa

O ex-presidente Lula causou uma verdadeira comoção na noite de quarta-feira (24) em passagem por Cuiabá em ato de apoio à candidatura a prefeito de Lúdio Cabral (PT). Nos cálculos da Polícia Militar, pelo menos 7 mil pessoas lotaram a Praça das Bandeiras na Avenida do CPA e cerca de 20 mil acompanharam o ex-presidente desde o Aeroporto Marechal Rondon em seu trajeto até o palanque.

Ex-presidente Lula chega a Cuiabá para apoiar Lúdio e causa alvoroço

Com sua verve talhada nos discursos do tempo de sindicalista, Lula arrancou risos e lágrimas dos mais emocionados e também não deixou de dar uma ‘cutucada’ no adversário do PT em Cuiabá, Mauro Mendes (PSB). “Governar é muito diferente de administrar uma empresa”, afirmou, em um recado claro ao peessebista.

Lula declarou, ao iniciar seu discurso, que falava também em nome presidente Dilma Rousseff (PT), que não pode participar por conta de compromissos políticos, afinal, o PSB de Mauro é da base aliada da Presidência.

Apesar do clima de euforia na praça, Lúla pediu alerta à militância. “Vamos nos manter nas ruas, que a gente converse com cada comércio, com cada policial, comerciante. Que a gente continue visitando cada escola e convencendo aqueles que ainda fazem assim pra gente (sinal negativo com a mão) e dizermos que fazer assim (faz um L com a mão) é mais saudável para Cuiabá”, declarou.

Atraso de persistência

Estava previsto para o ex-presidente chegar na Praça das Bandeiras às 16h30 e Lula não chegou antes das 19h00 aos local. Ao invés de esvaziar a praça, com o passar do tempo, o número de presentes só aumentava. 

Adailton Eleotério, 41, chegou à Praça das Bandeiras às 15h com as duas filhas pequenas e não saiu do local antes de ver o Lula. “Sou fã dele, toda a vida votei nele e voto de novo se ele candidatar”, declarou após ficar horas em pé na frente da grade para garantir uma visão privilegiada. “Voto no Lúdio porque acho que ele é o melhor para Cuiabá, mas o Lula ajuda”, admite. 

Sem entrevista, sem mensalão

Apesar de um espaço ter sido reservado para uma conversa com a imprensa, Lula participou do ato sem conceder entrevista e não deu a oportunidade de ser questionado sobre o Mensalão. Para os petistas, no entanto, o julgamento do caso no Supremo Tribunal Federal não deve interferir na eleição em Cuiabá. 

“A gente pode observar que [o mensalão] não tem influenciado no resultado eleitoral em nenhuma capital, em nenhuma cidade porque só foi possível uma investigação do mensalão porque o presidente criou todas as possibilidades para que nesse país pudesse ter investigação de forma transparente”, afirma o secretário de Educação Ságuas Moraes (PT). 

Para o secretário, o caso do mensalão mostra que Lula possibilitou o combate à corrupção. “Basta você olhar os oito anos do governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e os oito anos Lula para ver quantas ações positivas a Polícia Federal fez em combate ao crime organizado e do crime do colarinho branco. Então só de você fazer esse comparativo, você vai perceber que o presidente Lula foi fortaleceu todas as instancias”, completou. 

O vereador eleito Allan Kardec também acredita que o mensalão não deve influenciar na eleição em Cuiabá e afirma que a recepção dada ao ex-presidente é prova disso. “Acho que não afeta em nada o julgamento do mensalão. Não estão só petistas julgados pelo mensalão”, declara.

 

Da Redação - Lucas Bólico

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário