26/05/2011 - 10h:00 26/05/2011 - 07h59 Governo vai aumentar controle sobre licenças ambientais em MT

 O forte impacto do crescimento dos índices de desmatamento em Mato Grosso elevou as desconfianças do Governo Federal. O Ministério do Meio Ambiente vai fazer uma auditoria para descobrir, de fato, as causas desse aumento e vai passar a controlar também as licenças estaduais para desmatamento legal. A lei determina que a emissão de licenças de supressão de vegetação é prerrogativa dos órgãos estaduais de meio ambiente, mas as informações devem ser compartilhadas com a União, que é responsável pela fiscalização.

“Queremos saber onde o estado autoriza os desmatamentos. A responsabilidade é do Estado, mas as informações precisam ser compartilhadas. Vamos ter um sistema para saber que desmatamento são legais ou ilegais na Amazônia” – disse a ministra Izabella Teixeira, ao participar, em Sinop, no Norte do Estado, do lançamento da “operação de guerra” destinada a conter o avanço do corte da floresta amazônica.

Mato Grosso, Pará e Amazonas já começaram a compartilhar dados de licenças ambientais com o Governo Federal e, segundo a ministra, deverão assinar acordos com a União para formalizar a troca das informações.

O diretor de Proteção Ambiental do Ibama, Luciano Evaristo, pediu apoio do Exército para reforçar as ações no estado até 31 de julho. Os meses de maio, junho e julho são considerados críticos para o combate ao desmatamento na Amazônia por causa do período da estiagem, quando é mais fácil derrubar e transportar a madeira extraída ilegalmente. A operação pode ser estendida para outros estados.

“Quando as nuvens abrirem, vamos começar a enxergar como está a situação e definir novas estratégias" - adiantou.

Mais de 200 homens da Polícia Federal, Força Nacional de Segurança e Polícia Rodoviária Federal e pelo menos 500 agentes do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) estão na região para reforçar a fiscalização e tentar coibir o avanço dos desmatamentos.

O que ocorreu em Mato Grosso foi decadente. Os dados mostram que foi o maior desmatamento detectado em um único mês desde novembro de 2007.  O Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia  detectou um aumento de 13.500% na degradação florestal e atribui a situação a expectativa de mudança do Código Florestal, votado no começo da semana.

O Inpe e o Ibama vão começar a monitorar áreas embargadas para que o governo seja alertado quando o proprietário estiver descumprindo a ordem de manter paralisadas as atividades agropecuárias. “Vamos tirar todo o equipamento, os tratores, a madeira. Quem aposta na ideia de que o boi vai ficar lá, vai perder” -  alertou Izabella Teixeira.

 

Edilson Almeida
Redação 24 Horas News