26/09/2015 - Grupo visita porto e hidrelétrica; ferrovia começa a ser feita em 2018

26/09/2015 - Grupo visita porto e hidrelétrica; ferrovia começa a ser feita em 2018

Um dos principais entraves de Mato Grosso é a falta de logística para transportar a produção, por isso, uma comitiva organizada pela Aprosoja está na China há 12 dias conhecendo hidrovias e ferrovias que deram certo.

Na lista do tour, que encerra amanhã (16), estão visitas à hidrelétrica ou barragem das Três Gargantas; o Porto de Yanshan; e a empresa China Railway Eryuan Engineering Group Co (CREEC), que ocorreu nessa segunda (14).

A empresa é responsável pelo estudo de viabilidade da Ferrovia Transoceânica (ou Bioceânica), que vai ligar o Brasil ao Peru. Durante a reunião, chineses quiseram saber detalhes sobre a produção agrícola brasileira.

O diretor executivo do Movimento Pró-Logística, Edeon Vaz Ferreira, fez uma apresentação sobre os portos do Arco Norte e mostrou a necessidade dos investimentos em infraestrutura.

O presidente da Aprosoja, Ricardo Tomczyk, por sua vez, fez questão de ressaltar que Mato Grosso tem capacidade de aumentar sua produção para 150 milhões de toneladas e que os portos do Arco Norte podem receber 70 milhões de toneladas. "Uma ferrovia seria muito importante para ajudar no escoamento da produção agrícola", defende.

O estudo de viabilidade deve ficar pronto em maio de 2016 e, se aprovado, o início da obra acontece em 2018. A conclusão dos trabalhos deve demorar em torno de sete anos. Tomczyk pondera que a empresa pode enfrentar dificuldades em relação à liberação de licenças ambientais para a obra.

Os diretores da empresa argumentam que o laudo da empresa leva as licenças em consideração e o plano é evitar os pontos sensíveis. Caso não seja possível, farão a compensação ambiental. "Nossa sugestão é que o governo chinês e a empresa deixem claro ao governo brasileiro a necessidade de agilidade neste ponto. Nenhum desafio de engenharia é maior que a emissão destas licenças", afirmou o presidente da Aprosoja. 

Porto 

Thielli Barros
aprosoja-china
Comitiva visita Porto de Yangshan, na China. Obra custou cerca de R$ 50 bilhões

 

O grupo também visitou o Porto de Yangshan, em Shangai, localizado num complexo de ilhas a 32 quilômetros da costa. Para chegar até o Porto uma ponte marítima com seis pistas de rolamento foi construída. "É uma das maiores pontes do mundo, o que permite fluxo rápido das cargas para a retroárea construída no continente", explica Edeon.

O governo chinês investiu no aumento do porto para concorrer com Coréia e Taiwan, principais destinos dos grandes navios. Além disso, o porto tem posição estratégica e proximidade com as grandes cidades chinesas. 

 A obra custou ao governo chinês US$ 12 bilhões, algo em torno de R$ 50 bilhões. "O que mais chama a atenção é a eficiência e qualidade da obra, assim como a rapidez da construção e a eficiência na operação", diz Ricardo Tomczyk, presidente da Aprosoja.

A chamada "ilha pequena", onde está a operação atual do porto, tem seis quilômetros quadrados e uma extensão de oito quilômetros. Os números impressionam: são 60 guindastes de contêineres, 16 berços onde atracam os maiores navios do mundo, com 16,5 metros de calado. Uma vez por ano, uma empresa é contratada por meio de licitação para fazer a dragagem no canal.

No ano passado, houve a movimentação de 15 milhões de TEU's (contêiner de 20 pés), o que significa 45% de todo volume do porto de Shangai. Diariamente, 40 a 60 navios aportam em Yangshan. Há ainda uma grande conexão hidroviária, formada pelos rios Yangtzé e Huangpu, para levar os produtos que chegam ao porto para o interior da China.

O empresário de logística na hidrovia do rio Tocantins, Divaldo Souza, que participa da comitiva diz que a estrutura montada e o volume existente ultrapassam a nossa capacidade de raciocínio. “A expansão do porto liga ao resto de Shangai e ao país pelos rios".

O complexo reúne 69 ilhas e o local foi escolhido por que as formações protegem o porto de eventuais desastres naturais, como vendavais. Quatro mil famílias foram removidas do local para as obras e indenizadas pelo governo chinês. Antes, a ilha tinha 1,7 quilômetro quadrado e, após o aterramento, passou para 25 quilômetros quadrados. Para o aterro, foram necessários 100 milhões de metros cúbicos de areia.

Hidrelétrica

Thielli Barros
aprosoja-china
Hidrelétrica de Três Gargantas, a maior do mundo. Foi construída em 17 anos

 

Outra grande obra que a comitiva visitou foi a hidrelétrica de Três Gargantas, a maior do mundo. Nesta obra, está localizada ainda a segunda maior barragem e represa do mundo, construídas no rio Yangtzé, o maior da China. "A qualidade da obra, a rapidez da construção e o custo impressionam", diz Endrigo Dalcin, vice-presidente da Aprosoja na região Leste.

“Ao ver essas obras, acredito que o Brasil também tem condições de ter uma infraestrutura eficiente. A diferença é que no nosso país muitos recursos são desviados enquanto na China há a determinação para fazer”, diz.

A obra tem como objetivo de prevenir as enchentes que assolavam a região. A obra começou em 1992 e em 2009 já haviam sido instaladas 28 turbinas, com capacidade de geração de 18.200 megawatts. O custo estimado da obra está em torno de US$ 22 bilhões.

 “Isto nos permite afirmar que, com uma política de longo prazo e focada, podemos resolver a questão de infraestrutura no Brasil. Em nenhum dos casos temos dificuldade naturais, como grandes montanhas ou um relevo muito acidentado, como o que eles têm por aqui", alega.

A comitiva também visitou o Departamento de Tráfego de Shangai, uma empresa de barcaças e uma empresa ferroviária em Chongqing e ainda o porto da cidade, um dos mais importantes do interior da China. Os integrantes também percorreram parte da capital chinesa, Pequim, um dos mais importantes centros financeiros do mundo. (Com Assessoria)

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário