26/09/2016 - 208 médicos cubanos vão deixar o Estado

26/09/2016 - 208 médicos cubanos vão deixar o Estado

O coordenador do Progra­ma Mais Médicos em Mato Grosso e professor da Facul­dade de Medicina da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Reinaldo Gaspar Mota, esteve em Brasília, nesta quinta-feira (22), para tratar sobre o programa, e voltou a Cuiabá preocupado com as mudanças na inicia­ tiva que, em dois anos, trou­ xe para o Estado 225 médi­cos, sendo 208 cubanos. Eles atuam em diversos rincões e em sua maioria em al­deias indígenas.

“Creio que haverá descobertura em Mato Grosso, já que a equi­pe de saúde do presidente Michel Temer (PMDB) pror­rogou a iniciativa mas vai dispensar os cubanos e bus­car substitui-los por profis­sionais brasileiros”, comen­ta o coordenador.

Ele desta­ca, porém, que o programa existe justamente pela difi­culdade de manter médicos brasileiros em postos de saúde periféricos, em cida­des sem infra-estrutura e longe de grandes centros e principalmente na zona ru­ral e em terras indígenas. “Esta é uma preocupação grande”, lamenta. “Será que os médicos brasileiros estão dispostos a garantir esta cobertura?” - questio­na.

Antes do programa, ele diz que somente três ou quatro aldeias indígenas locais ti­nham médico. “Hoje são
30”.

Para ele, os governos mu­nicipais, estaduais e fede­rais fizeram, antes do Mais Médicos, “claras tentativas
frustradas” em garantir a cobertura nos interiores do país. Ressalta também que houve uma campanha nacional - chamada “Cadê o médico?” - potencializada por prefeitos e secretários mais prejudicados pela des­cobertura - que subsidiou o programa.

O coordenador Reinaldo destaca que o programa chegou a cidades pequenas, de fundação recente, ainda
desestruturadas e de IDH abaixo da média. Os crité­rios de cálculo do Índice de Desenvolvimento Humano,
ou IDH, são expectativa de vida, escolaridade e renda per capita local.

Ele critica as secretarias municipais e o Estado por “não terem dado respaldo ao programa” e diz que “va­
mos perder este apoio dos cubanos, que fazem isso em pelo menos 50 países ainda em desenvolvimento”. A medicina cubana é referên­ cia internacional.

O Conselho Regional de Medicina (CRM) em Mato Grosso mantém a mesma posição desde o início do programa Mais Médicos: é contra. A médica Maria de Fátima, vice-presidente do CRM, acredita que o Brasil deve favorecer os médicos brasileiros. Diz ainda que eles não ficam nestes locais distantes, agora atendidos pelo programa, por conta da instabilidade. “Se tives­sem concursos e um plano de carreira como o dos juí­zes ficariam”, supõe. Ela critica o fato de não ser exi­gido dos cubanos a valida­ ção do diploma de médico.

A BBC Brasil fez um levan­ tamento com os coordena­dores do programa no país e todos estão com o mesmo temor, de enfraquecimento da iniciativa. Em nota à BBC Brasil, o MEC afirmou que os cortes ocorreram para responder à diminuição no número de profissionais do programa, que caiu de 18 mil para 14 mil, por conta da desistên­ cia de alguns profissionais. Reinaldo entende que a desistência é resultado da fal­ta de apoio.

 

 

Keka Werneck, redação A Gazeta

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário