27/01/2011 11h:16 Garotas trocam sexo por comida em VG


A prisão em flagrante do aposentado Gerci Batista Dantas, o “Duia”, de 77 anos, e seu filho Giovani Xavier Dantas, de 38, autuados em flagrante pelo crime de estupro de vulnerável, trouxe à tona uma triste realidade. As duas meninas – uma de 12 e outra de 13 anos –estavam sendo abusadas sexualmente e por vários homens há cerca de dois anos. Uma delas tinha apenas 10 anos. Policiais da Delegacia da Defesa da Mulher e da Criança de Várzea Grande descobriram que elas trocavam sexo por comida.

Gerci e Giovani foram presos anteontem à tarde, após policiais serem informados de que duas menores entraram na casa deles, no Parque do Lago. Assim que chegou, a polícia flagrou o aposentado com o zíper aberto e o filho dele no banheiro se levando.

Nesses dois anos, uma relação sexual custava R$ 5 ou as meninas ganhavam somente um salgado. Em algumas vezes, “pequenas lembrancinhas”. A princípio “inúmeros” pedófilos abusaram sexualmente das meninas, que chegavam a atravessar dois bairros para se encontrar com os estupradores.

Segundo a delegada Juliana Palhares, responsável pela prisão, havia a denúncia, mas não tinha indícios, sobre quem praticava a violência sexual, uma vez que as menores não apontavam os pedófilos. “As meninas estavam coniventes com a realidade que vivem. Na delegacia, agora, negaram a exploração (sexual), mas, há dois anos, relataram tudo”, destacou a delegada.

No entendimento de Juliana, a situação da vulnerabilidade das meninas leva a crer que elas não foram abusadas sexualmente somente na região do Parque do Lago, mas em outros bairros da cidade. Uma das meninas tem duas irmãs, uma de 12 e outra de 14, que também estão vivendo em situação de risco.

 

 Gerci e Giovani foram presos na casa deles onde haviam acabado de consumar o ato sexual. “O vovô estava com zíper da calça aberto e o filho deles, estava no banheiro se lavando. Pegamos a dupla no flagra”, observou um policial da Delegacia da Defesa da Mulher e da Criança de Várzea Grande que participou da prisão.

 Ontem de manhã, pai e filho foram interrogados na Delegacia da Defesa da Mulher, em Várzea Grande, onde negaram ter violentado sexualmente as meninas. Eles alegaram que elas foram visitá-los. Após o interrogatório, foram encaminhados para uma unidade prisional da Grande Cuiabá. A pena para estupro de vulnerável é de oito a 15 anos de prisão.(Adilson Rosa)

 

Valdemir Roberto