27/05/2011 - 15:05 Policial militar com síndrome do pânico faz mulher refém em casa

 Foram três horas de angústia e medo para dona-de-casa Maria Nazaré Montalvão, mantida como refém por um policial militar, que sofre de síndrome do pânico. O distúrbio é caracterizado pela ocorrência de freqüentes e inesperadas crises de medo e pânico. O militar Lázaro Pereira Marques, 31 anos, dominou uma mulher com uma faca em Barra do Garças, a 509 km de Cuiabá. 


O incidente aconteceu numa chácara próximo ao bairro Abel Lira, por volta das 14 horas de quinta-feira (26). Lazaro chegou pedindo água e comida, a família pensando que fosse um morador de rua, resolveu dar. Convidaram o policial para sentar na área. Quando esposo da Maria Nazaré foi perguntar de onde ele estava vindo, o militar disse que ‘era do inferno’ demonstrando agressividade. 

Nesse momento, o casal percebeu que algo estava errado e tentou correr. O homem escapou, porém o militar conseguiu dominar a mulher e se trancou dentro da casa mantendo a dona-de-casa usando a faca. 

A Polícia Militar (PM) foi acionada pelo esposo da vítima para salva-la. Deu-se início a uma longa negociação onde foram chamados amigos e colegas de farda para demover o policial desta investida. Lázaro exigiu a presença de um promotor, um advogado e de um sargento amigo que ele confiava. 

Ele cortou a mangueira do gás dizendo que iria explodir a casa. A todo instante, o militar reclamava de sua vida e dizia que um inocente iria pagar pelos seus problemas. A dona-de-casa começou a falar em Deus para o militar e lhe um lenço de uma igreja evangélica. Ele queimou o lenço. 

O clima esquentou por volta das 17 horas, quando ela percebeu o cansaço do seqüestrador e escapou e saiu correndo da casa. Ele ainda perseguiu a vítima. Como não alcançou, o militar correu para o mato e foi alvejado com tiros de borracha pelos colegas e mesmo assim ele continuou a fuga.

Quando os policiais conseguiram chegar perto, ele ainda investiu contra a guarnição e foi novamente alvejado e preso. 

O coronel Valdemir Barbosa informou que o PM tem nove anos de farda e está em tratamento desde o ano passado. Segundo ele, o soldado desenvolveu a síndrome do pânico depois que cismou que as pessoas estavam atrás dele e até mesmo a Força Tática. O policial teve uma ‘briga’ um comandante de destacamento quando esteve em Paredão Grande. Segundo Barbosa, o policial foi encaminhado para uma clinica psiquiátrica em Goiânia acompanhado de familiares e uma guarnição.

 

De Barra do Garças - Ronaldo Couto

Comentários

Data: 11/06/2011

De: indgnada

Assunto: injustiça por ser um policial

homem que é pago p/ defender os cidadões de bem, é o bandido
é facil falar que um cara desse ta com sindrome do panico...e se não fosse policial?? agil de ma fé com uma pobre senhora, falando que queria comer e beber agua, agora vem falar que os policiais ganham mal??? me poupe, sabe o que ganha um trabalhador rural trabalhando de sol a sol?? menos do que esse bandido... me fala quantos policiais que dão um de doidos p/ se aposentarem?? tem excessões mas é menoria...infelizmente, essa SENHORA sofreu muito foi torturada, com uma faca no pescoço, com esse delinquente...ele cortou a mangueira do gas e colocou p/ ela cheirar...a familia ficou totalmente abalada e triste... que segurança essa SENHORA vai ter, garanto que quem tar com SINDROME DO PANICO é essa senhora que deve ter medo de tudo...vai ver nem vai entrar contra o estado pq ja viu que não vai dar em nada...como é de praxe acontecendo algo assim com policial ele esta doido e não da em nada......que mundo é esse meu DEUS..................

Data: 16/06/2011

De: eu!

Assunto: Re:injustiça por ser um policial

vc nao sabe o diz... pq se diz indignada? poderia ser alguem da sua familha que tivese com essa doença ou ate vc mesmo intao nao fala do que vc nao sabe

Novo comentário