27/08/2013 - Exposição na Internet pode terminar com funcionário demitido

A exposição em excesso nas redes sociais e o uso além da conta da internet no trabalho, para fins particulares, podem prejudicar o crescimento profissional. É o que dizem especialistas em Recursos Humanos (RH). Quem tem o hábito de postar tudo o que faz, onde está, com quem sai e colocar fotos a todo momento sem critério no Facebook, por exemplo, corre risco de demissão ou de perder vaga de emprego. Citar a empresa em que trabalha em comentários ou fazer críticas também não são práticas recomendáveis.

Pensamentos preconceituosos ou racistas, posição política polêmica ou falar mal da empresa onde trabalha ou atuou também causam problemas na visão do consultor de RH Maurício Seixo.

"Já soube de caso de funcionário demitido por ter postado crítica a empresa onde trabalhava. A pessoa tem que ter consciência de que seu perfil em redes sociais não é privado. Têm pessoas que fazem comentários como se tivessem em bate papo informal de bar", comenta Seixo.

De acordo com Márcia Ricardi, especialista em Gestão de Pessoas e supervisora de RH, é cada vez mais comum os recrutadores acessarem as páginas pessoais dos candidatos para conhecer mais sobre o profissional que pretendem contratar.

"São analisadas os tipos de publicações, o conteúdo, fotos, sobre o que a pessoa se interessa, os valores do indivíduo como ética, respeito e educação. É claro que o recrutador não pode ter como única referência a rede social, porém, esta é bastante considerada, pois diz muito sobre o candidato", explica a supervisora de RH.

PRODUTIVIDADE

Professor do curso de Recursos Humanos e Administração do Centro Universitário Celso Lisboa, Nelson Mateus Filho diz que o uso excessivo da internet para fins particulares distrai as pessoas e provoca perda de produtividade se o profissional não tomar cuidado. Mas, ao mesmo tempo, ele afirma que as empresas devem entender que os trabalhadores precisam de um tempo durante o dia para espairecer.

"Não tem período ideal. Fica a critério da empresa. Em torno de meia hora é um tempo razoável por dia", avalia.

Bloquear o acesso não é a solução

O psicólogo e sócio da Top Quality Recursos Humanos, Carlos Eduardo Pereira, diz que bloquear internet nas empresas não é a melhor solução.

"Um líder com experiência saberá usar as metas e demandas para mediar esta relação. Até porque o bloqueio tende a limitar o acúmulo de informações", observa o psicólogo.

Pereira diz ainda que concorda com alguns especialistas que dizem que liberar o uso é saudável. "Torna o funcionário mais satisfeito", ressalta o especialista.

A coordenadora pedagógica Magda Alencar, 19 anos, diz que trabalha no escritório de uma das principais escolas de samba do Rio e que o acesso é totalmente liberado.

"Inclusive, a internet é uma das nossas principais ferramentas de trabalho. Sou contra limitar o acesso. Se a pessoa consegue entregar seu trabalho em dia não vejo motivo para bloquear", argumenta a coordenadora pedagógica.

O vigilante Thiago Cardoso, 22, afirma que trabalhou numa empresa que produzia suplementos de informática onde o acesso à internet era limitado ao horário do almoço. "Havia muito funcionário que trabalhava à tarde e chegava mais cedo só para ter acesso à internet", conta.

Empresas têm como medir uso

Consultor empresarial e especialista em Gestão de Pessoas, Ubiratan Bonino diz que controlar é um mau necessário. "Empresa que não controla corre o risco de sofrer danos pelo uso indevido do seu sistema. Ela é responsável por tudo que é comunicado, divulgado, acessado em sua rede. Casos como pedofilia, uso de sites pornográficos, informações sigilosas podem ser extremamente danosos à empresa.

A supervisora de RH Márcia Ricardi diz que se a empresa permitir o acesso à internet, com algumas restrições (sites inapropriados, por exemplo) e, também, por sua vez, promover uma cultura de educação do uso apropriado dos recursos da empresa, isso pode dar certo.

"Entretanto, se a empresa permite o acesso, porém, não promove a cultura do bom uso. Isso pode prejudicar e muito a produtividade da companhia. Uma boa gestão de pessoas deve promover a consciência do uso", explica a especialista.


(Da Agência O Dia)