27/10/2015 - Estudo sobre carne e câncer não deve afetar mercado

27/10/2015 - Estudo sobre carne e câncer não deve afetar mercado

O estudo da Organização Mundial de Saúde (OMS) divulgado nesta segunda-feira, 26, sobre o potencial cancerígeno da carne processada, não deve afetar o consumo do produto no Brasil, na opinião do diretor executivo da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS), Nilo Chaves de Sá. ‘A proteína animal é uma fonte importante para a nutrição humana‘, disse.

Na avaliação do diretor da ABCS, há outros estudos científicos que comprovam os benefícios da carne para a saúde humana que devem ser levados em consideração. ‘Respeitamos muito a OMS e apoiamos a ciência, mas parece que ainda é necessário mais pesquisa para que seja algo definitivo‘, disse. ‘É preciso continuar estudando. Se algum dado comprovar que é necessário uma mudança no processo, por exemplo, nós vamos adotar‘, afirmou.

Segundo a OMS, o consumo de 50 gramas de carne processada diariamente eleva em 18% a possibilidade de a doença afetar o intestino grosso e o reto. Na lista de produtos que podem ser cancerígenos estão salsichas, presuntos e alimentos que passam por processos para acentuar o sabor ou aumentar o tempo de conservação.

Procurada pelo, a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) disse que quer analisar o estudo completo antes de se pronunciar. A BRF informou que não vai se posicionar.

No segmento de carne bovina, a Minerva Foods afirmou que, por questões de agenda, não poderia responder à reportagem em tempo hábil e a Marfrig também disse que não vai se posicionar.

 

 

Estadão

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário