28/02/2015 - “Foi um pagamento curioso, que gerou desconfiança", diz Viana

O deputado estadual Zeca Viana (PDT) afirmou que irá protocolar junto ao secretário de Infraestrutura e Logística (Sinfra), Marcelo Duarte, requerimento pedido de explicações sobre o pagamento de R$ 3,2 milhões à Construtora Trípolo Ltda.

Isso porque o governador Pedro Taques (PDT) determinou, no dia 19 de fevereiro, o pagamento de R$ 3,2 milhões à construtora referente a serviços de obras e engenharia que teriam sido prestados na gestão do governador Silval Barbosa (PMDB). 

A Trípolo pertence ao empresário Fausto Bortolini, filho do primeiro secretário da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa, deputado Ondanir Bortolini, o Nininho (PR).

“Apresentei um requerimento para que eles me informem qual a metragem, o serviço e o local da obra efetuada. Foi um pagamento feito durante a moratória de 90 dias, e os motivos ditos para os referidos pagamentos não me convenceram”, disse.

Para Zeca, o pagamento de uma empresa ligada a um deputado, em meio a suspensão dos pagamentos de contratos por 90 dias, gera “desconfiança” da sociedade.

“Foi um pagamento curioso e gerou desconfiança, porque é uma empresa ligada ao primeiro secretário da Casa. Há várias outras empresas pequenas com serviços prestados e o Governo não pagou, mas pagou a empreiteira do deputado Nininho”, afirmou.

“Então, acho que se o governador abriu essa exceção, tem que abrir para todo mundo. Chamar quem tem crédito e pagar a todos. Ou então, deveria manter o primeiro posicionamento e não pagar ninguém”, disse.

“Péssima qualidade”

Segundo Zeca, a empreiteira ligada a Nininho havia vencido uma licitação para realizar obras na MT-130.

No entanto, para o deputado do PDT, as poucas obras realizadas estavam em “péssima qualidade”.

“Eu ouvi o argumento do secretário Marcelo justificando que foi obrigado a pagar para que a empresa pudesse fazer o tapa-buraco da MT-130. Mas essa mesma empresa ganhou uma licitação em 2014 da recuperação dessa mesma MT e recebeu a ordem de serviço e não o fez”, disse.

“E agora me diz que é preciso pagar para eles fazerem o tapa-buraco...A estrada está em péssimas condições, essa rodovia fica no meu município, eu sou cobrado diariamente pela sociedade e tenho cobrado muito o Nininho por causa disso”, afirmou.

Entenda

De acordo com informações do Fiplan, no dia 19 de fevereiro, foram feitos cinco repasses à Construtora Tripolo. Os valores variam de R$ 72.609,46 a R$ 1.223.327,00.

Ao todo, foram R$ 3,2 milhões em repasses. 

O deputado Mauro Savi também protocolou um requerimento ao Governo solicitando informações da movimentação financeira.

Além da Tripolo, Taques pagou outras seis empreiteiras e gerenciadora receberam um total de R$ 10,799 milhões.

Ainda receberam repasses as empresas TLA Construções Ltda, Associação de Produtores da Rodovia MT-480, Construtora Gilmar Nunes, Empresa Brasileira de Cosntrução Ltda, Três irmãos Engenharia e Consórcio Integração Gerenciadora Planserv.

Segundo o secretário Marcelo Duarte, os diversos pagamentos a empreiteiras foram autorizados para obras emergenciais de diversas empresas, com autorização prévia de Taques, com base no artigo 1º inciso 5º do próprio decreto, que prevê a “flexibilização mediante o requerimento justificado que, de fato, foi apresentado e deferido”.

“Os contratos são considerados importantes para a logística de transporte do Estado. Eles se referem à execução de uma série de ações emergenciais, como a construção de pontes de madeira, pavimentação, restauração, conservação e melhoramento das rodovias, que precisavam ser regularizados para garantir a continuidade dos serviços, cuja inexecução afetaria o cotidiano dos mato-grossenses, com prejuízos para outras áreas primordiais, como a segurança e saúde”, disse em nota.

 

 

Douglas Trielli 
Da Redação

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário