28/04/2011 - 10h:01 Com golaço de Willians, Fla passa fácil pelo Horizonte e vai às quartas

Volante, que não marcava desde 2009, faz jogada no estilo Messi. Time derrota os cearenses por 3 a 0 e vai enfrentar o Ceará na próxima fase

O rubro-negro que andava preocupado, com a pulga atrás da orelha, agora esfrega as mãos. Em uma semana, o Flamengo conseguiu afastar o clima de desconfiança que rondava o time, virou finalista da Taça Rio, está a 90 minutos do título carioca e classificado para as quartas de final da Copa do Brasil. Nesta quarta-feira, o Rubro-Negro não deu chances ao Horizonte-CE. No estádio Domingão, em Horizonte, cidade distante cerca de 40 quilômetros da capital Fortaleza, a equipe de Vanderlei Luxemburgo, sem Ronaldinho e Léo Moura, derrotou o Galo do Tabuleiro por 3 a 0 e está classificada para a próxima fase. No jogo de ida, houve empate por 1 a 1, no Engenhão.

Galhardo, Deivid e Willians marcaram. O gol do volante foi o mais bonito. Aos 35 do segundo tempo, ele arrancou de pouco antes do meio-campo, passou por dois adversários, driblou o goleiro e completou. Lance no melhor estilo Lionel Messi, craque do Barcelona, que nesta quarta fez um gol parecido na vitória sobre o Real, em Madri.. Foi apenas o quarto gol do volante com a camisa rubro- negra. O último foi em 20 de setembro de 2009, contra o Coritiba, no Brasileirão, há 83 partidas.

Thiago Neves e Bottinelli também foram bem. O argentino, enfim, começa a justificar os elogios de Luxa, que foi buscá-lo no Chile. Vitória sem sustos e com autoridade. Na próxima fase, o Flamengo enfrenta o Ceará, que eliminou o Grêmio Prudente. O primeiro jogo deve ser disputado semana que vem. A CBF sorteia a ordem do mando de campo nesta quinta, no Rio.

 

O Flamengo volta ao jogar no domingo, às 16h. O time enfrenta o Vasco, na decisão da Taça Rio. Se vencer, será campeão carioca por antecipação, já que é o campeão da Taça Guanabara. Depois de fazer boa campanha na Copa do Brasil, o Horizonte se concentra nas semifinais do segundo turno do Campeonato Cearense. No sábado, o time enfrenta o Guarani de Juazeiro, às 15h45m, no Romeirão.  

Sem querer, Fla na frente

Thiago Neves fez cara feia quando a bola saiu do pé de Galhardo da ponta direita e começou a viajar. O meia aguardava na área, viu que era inalcançável e não gostou nada. O ar de reprovação em segundos deu lugar a um largo sorriso. O cruzamento do lateral, substituto do machucado Léo Moura, sem querer virou gol com a ajuda do goleiro Alex, que deu um tapa com a mão direita contra a própria meta. Aos oito minutos de jogo, o Flamengo começava a cumprir com sua obrigação. Primeiro gol de Galhardo em 13 partidas como profissional do clube.

Vanderlei Luxemburgo optou por uma formação mais ofensiva. Sem Ronaldinho, também machucado, Bottinelli e Thiago Neves dividiram a responsabilidade de conduzir o Rubro-Negro. Com boa movimentação, a dupla participou das principais jogadas e deu volume de jogo ao time. Ora com a bola rolando, ora com ela parada, os dois foram participativos e perigosos. Na função de segundo volante, Renato arriscou uma bomba de longe, aos 16, mas parou no goleiro.

Estar na Copa do Brasil com apenas sete anos de existência era uma façanha para o Horizonte. Nas oitavas de final então...um sonho. E já que chegou tão longe era impossível não querer mais. O trio Diego Palhinha, Isaac e Siloé tentou atacar com velocidade em busca do empate. Destaque do time, Siloé exagerou nas firulas, mas também incomodou com velocidade e força física. E ainda havia Elanardo e Júnior Cearense, que deram trabalho a Felipe nas bolas paradas.

Em vantagem, o Flamengo aproveitou o ímpeto adversário para jogar nos contra-ataques. Com velocidade, Bottinelli e Thiago Neves acionavam Deivid e Wanderley na frente. Os dois, que costumam brigar pela posição, foram perigosos, brigaram por cada palmo do gramado com os zagueiros. Em chute rasteiro, aos 29, Deivid obrigou Alex a fazer uma defesa com a ponta dos dedos. Cinco minutos depois, Wanderley recebeu na direita, chapelou o marcador e bateu de esquerda, sem deixar a bola cair. O goleirão foi bem novamente.

Willians em noite de Messi

Às vésperas da partida, Thiago Neves preferiu dividir responsabilidades. Na ausência de Ronaldinho, disse que não decidiria nada sozinho. O discurso humilde não combinou com o desempenho do camisa 7, que empolgou a torcida cearense. Thiago atacou, marcou e presenteou. Aos três minutos do segundo tempo, ele recebeu na área, se livrou do zagueiro com categoria e só rolou para Deivid completar: 2 a 0. Por mais que o Horizonte fosse batalhador, o segundo gol rubro-negro frustrava os planos de classificação. Para avançar, seria preciso virar o jogo.

Willians gol Flamengo x Horizonte (Foto: Ag. Estado)Willians comemora o seu golaço contra o Horizonte (Foto: Ag. Estado)

O técnico Roberto Carlos tentou. André e Lúcio Maranhão substituíram Valter e Isaac, respectivamente. Pouco adiantou. Apesar de rondar a área rubro-negra, o Galo do Tabuleiro não conseguiu nada além de alguns chutes ruins e cruzamentos sem direção.

Com ótima vantagem, Luxemburgo decidiu modificar o time. Bottinelli e Wanderley deram lugar a Fierro e Muralha. O atacante, aliás, desperdiçou chance incrível pouco antes de deixar o campo. Aos 21, Thiago Neves cruzou, e o goleiro Alex largou uma bola fácil. Ela ficou na frente de Rodrigo Alvim, com o gol aberto. Com a disposição conhecida, Wanderley se antecipou ao companheiro e bateu para fora. Deivid também desperdiçou ótima chance, aos 27. O camisa 9 recebeu completamente livre na intermediária, avançou e bateu colocado. A bola fez uma curva muito aberta e saiu.

Sem forças, o Horizonte ainda perdeu um jogador. Hércules recebeu o segundo amarelo e foi mais cedo para o vestiário. Para o Flamengo, o melhor estava guardado para a parte final do confronto. Que Willians é o rei dos desarmes do time, todo mundo sabe. Que ele é capaz de dar um lindo passe para gol, como no Fla-Flu, também. E que tal um golaço? Aos 35, o camisa 8 arrancou de pouco antes do meio-campo, passou por dois marcadores, driblou o goleiro Alex, e tocou de biquinho para o gol, no melhor estilo Messi. Incrédulo, Luxemburgo sorriu à beira do campo. Foi apenas a quarta vez que o volante marcou com a camisa rubro- negra. A última havia sido em 20 de setembro de 2009, contra o Coritiba, no Brasileirão, há 83 partidas. Valeu a pena esperar.