28/04/2016 - CORRETO - Congresso quer proibir população de eleger pessoas sem diploma

28/04/2016 - CORRETO - Congresso quer proibir população de eleger pessoas sem diploma

Uma proposta de Emenda à Constituição que proíbe pessoas sem diploma de ensino superior de se candidatarem a cargos públicos está tramitando na Câmara dos Deputados. A ideia, do deputado Irajá Abreu (PSD), filho da ministra Kátia Abreu, tem apoio de 190 parlamentares até o momento – o que já é suficiente para que ela vá às comissões.

A PEC exige diplomas para todos os cargos eletivos: de presidente a vereador, passando por governadores, prefeitos, vices e deputado, além de senadores. Na justificativa, Irajá Abreu diz que muitos deputados hoje têm, inclusive, dificuldade de leitura. E afirma que a ideia é melhorar a qualidade do Parlamento.

“Com essa proposta, buscamos estabelecer um patamar superior para aqueles que tenham a intenção de concorrer a cargos eletivos, que devem ter, na busca de soluções dos problemas nacionais de forma duradoura, uma visão mais profunda da realidade brasileira, o que a disponibilidade de conhecimentos integrados por uma visão acadêmica pode propiciar com maior efetividade.”

E, mais adiante:
“No que diz respeito ao Poder Legislativo, pretendemos elevar o nível dos debates e da legislação produzida em todas as unidades federativas, na medida em que  seus  membros  passarão a deter conhecimentos suficientes para desempenhar, de modo efetivo, as suas prerrogativas.”

A proposta tem assinatura de seis deputados paranaenses: Alex Canziani (PTB), Alfredo Kaefer (PSL), Diego Garcia (PHS), Dilceu Sperafico (PP), Edmar Arruda (PSC), Evandro Roman (PSD), Luiz Nishimori (PR), Osmar Serraglio (PMDB), Sérgio Souza (PMDB).

O senador Alvaro Dias (PV) sondou seus eleitores nas redes sociais para saber o que eles pensavam do assunto. Muitos se manifestaram a favor, comparando o projeto com a Lei da Ficha Limpa. Outros citaram especificamente o caso de Lula, presidente sem diploma. “E de preferência com dez dedos”, riu um, dando a entender que o projeto se destina a atingir o ex-presidente, possível candidato em 2018.

Para o cientista político Adriano Codato, da UFPR e coordenador do Observatório das Elites Sociais e Políticas do Brasil, o projeto é antidemocrático e estúpido. “Primeiro, é inócuo, porque hoje cerca de 90% dos eleitos para o Congresso têm diploma. Segundo, é antidemocrático, porque faz uma ,ligação entre ensino superior e qualidade de representação que não existe”, afirma.

Codato dá o exemplo de um ruralista que tenha passado a vida na fazenda e não tenha feito curso superior. “Será que só por isso ele não conhece os problemas do campo, não pode representar um grupo social? Política é representação de interesses”, diz. “Querem devolver o Brasil à República Velha”, diz.

 

 

 

Da Redação

28/04/2016 -

Data: 29/04/2016

De: Mary

Assunto: diplomas

Primeiro o Nobre Deputado deveria se preocupar em ofertar Cursos Superiores em todas as cidades, com ingresso irrestrito. Depois sim poderia exigir graduação para todos os cargos públicos.
Imaginem aqui no Araguaia, onde a oferta de Ensino Superior Pública até o momento é apenas para profissionais da Educação. Somente esses poderiam ter representantes nas Câmaras Municipais?

Data: 28/04/2016

De: Diadema

Assunto: Brasil

A lei poderia conter tbm que essas pessoas sem crusso superior não podiam votar.
Abram Lincoln ERA UM LENHADOR e foi um dos melhores presidentes do USA. ESSACSÓ PODERIA VIR MESMO DESSES POVO DO TOCANTINS.

Novo comentário