28/05/2012 - Irritados com “investimentos em caixões”, índios entram em confronto com a PM

 

Índios da aldeia Pequi da Terra, na Reserva Areões, em Água Boa, entraram em confronto com policiais militares, após resistirem a entregar uma  caminhonete da Secretaria de Saúde Indígena, tomada em protesto no último dia 19 de abril. Os índios protestam contra a falta de investimentos na saúde. Segundo eles, a  Secretaria de Saúde Indígena só tem investido em caixões, para enterrar os índios, que morrem devido a falta de atendimento básico a saúde. O vereador indígena de Nova Nazaré, Aray Maraiho, que estava conduzindo a caminhonete da secretaria, foi preso – motivo que aumentou a tensão entre policiais e índios.
 
A confusão começou quando os índios resolveram ficar com a L200 da Secretaria de Saúde Indígena (Sesai).  Segundo o motorista, ele levava uma enfermeira para fazer atendimento na aldeia quando foi abordado por um grupo de índios liderado pelo vereador Ary Maraiho,  de Nova Nazaré. O motorista procurou a Delegacia de Polícia Civil e fez o boletim de ocorrência. No sábado, os policiais encontraram o veículo dentro da cidade de Água Boa quando abasteciam em um posto de combustíveis.
 
Segundo o Cte. do 16º Batalhão da Polícia Militar, tenente coronel  Jorge Luiz de Magalhães, os policiais abordaram o veículo e exigiu que fosse entregue; houve resistência e foi necessário de reforço policial da PM e da Polícia Civil.
 
 “A guarnição da PM informou aos índios que deveriam serem encaminhados ao CISC para a confecção do Boletim de Ocorrência para as providências da autoridade policial. No primeiro momento houve resistência por parte dos indígenas e tivemos que deslocar até o local, dialogamos bastante e cumprimos a determinação trazendo o veículo para o CISC. O boletim de ocorrência foi confeccionado e será encaminhado para a Polícia Civil onde provavelmente vai ser lavrado o competente auto de prisão em flagrante” – disse o militar. 
 
O delegado regional Antonio Moura Filho indiciou o vereador  Ary Maraiho em flagrante pelo crime de receptação. Ele foi ouvido na presença de uma defensora pública e foi arbitrado fiança, mas foi liberado com a intervenção do Poder Judiciário. 
 
O clima ficou tenso, porque uma certa quantidade de indígenas estava na porta do CISC aguardando o desfecho do caso. A chave da caminhonete L200 que ainda estava em poder do indiciado foi entregue.
 
Segundo o cacique Carlos da aldeia Campo Alegre o veículo foi pego em forma de protesto porque não tem atendimento quanto às questões de água e que os funcionários indígenas não estão recebendo os salários, a maioria por quase um ano. “Estamos cansados de promessas. O pessoal está passando fome por que não recebe, já deve em todo o comercio. Já foram emBarra do garças emarcaram até o dia que o dinheiro estava na conta e ainda perderam viagem atá a cidade  e nada. estão fazendo os indios de trouxas” – protestou. 
 
Já por volta das 20h00 por determinação judicial o vereador Arí Marhaio foi liberado e resolveu entregar as chaves da caminhonete L200 e o grupo de índios voltaram para suas aldeias.  Eles disseram, no entanto, que vão fazer reuniões nas 16 aldeias de Areões para definirem as próximas ações e que poderão ser de trancar rodovias.
 
No momento da abordagem policial os indígenas estavam a caminho da Aldeia Tritopá na região de Nova Nazaré onde pretendiam participar de uma reunião de lideranças sobre a passagem da ferrovia próximo a área indígena e  demais reinvidicações sobre a melhoria no atendimento a saúde, poços artesianos nas aldeias,  pagamento dos salários atrasados dos que são funcionários da SESAI.
 
Redação 24 Horas News e Água Boa News

Comentários

Data: 29/05/2012

De: eu

Assunto: idios

Ja estou cançado de falar que essa raça não paga o que o governo faz por eles, não trabalão e que terras andão por todas as eatradas e se formos passar por suas terras temos que pagar isso e um abesurdo raça ruimmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm.

Data: 29/05/2012

De: Rogério

Assunto: Camionete

Para nós brancos, o código penal chama a atitude de roubo...infelismente para os indigenas, as autoridades chamam de protesto....fazer o que né!

Novo comentário