28/05/2015 - MT já gastou R$ 65 mi com "empresas de enfeite" para fiscalizar obras

A má aplicação dos recursos das obras da Copa do Mundo, somada a qualidade duvidosa delas, causou prejuízos milionários ao Estado. Somente para fiscalizar os contratos e o andamento das obras, o Estado aplicou até agora R$ 65 milhões em quatro empresas de consultoria desde 2010.

 

Apenas com as obras do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), a extinta Secretaria da Copa do Mundo firmou contrato de R$ 44 milhões com o consórcio Planserv-Sindotécnica. O mais grave é de que dezenas de recomendações e falhas constatadas pela auditoria não foram acatadas pelos responsáveis pela obra orçada em R$ 1,470 bilhão que se encontra paralisada sem nenhuma previsão de ser retomada.

 

De acordo com estudo realizado, os valores aplicados em auditoria seriam suficientes para construir as trincheiras do Santa Rosa, Verdão, o viaduto do Despraiado, e ainda sobrariam R$ 3,5 milhões. “É um desrespeito com nosso dinheiro e tem que dar um jeito para terminar”, disse uma cidadã.

 

Além das auditorias “independentes”, as 56 obras da Copa foram fiscalizadas por entidades como Crea (Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura), OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e até pela Auditoria Geral do Estado. O Crea citou que algumas empresas contratadas não possuem capacidade para gerenciar ou fiscalizar as obras.

 

O presidente da instituição, Juarez Samaniego, citou que por exemplo que a CSL Consultoria e Assessoria, contratada pela CPI das Obras da Copa na Assembleia Legislativa por R$ 967 mil, não possui registro no órgão. "No seu objetivo social não tem engenharia e qualquer laudo emitido por ela é considerado nulo”, disparou.

 

Já o procurador da Assembleia Legislativa, Luiz Eduardo Rocha, contrapõe o Crea e afirmou que a contratação da empresa é legal mesmo tendo sido realizada por dispensa de licitação. "Não poderíamos esperar 90 dias para contratar esta empresa. Baseamos no artigo 24 da Lei 8666 que prevê contratação emergencial", disse.

 

O representante da CSL, Marcos Brito, garante que não será "por enquanto" realizada nenhuma perícia nas obras que são alvo de investigação na CPI. "Essa é uma fase de processos administrativos da contratação das obras da Copa", comentou.

 

 

 

 
Da Redação

 

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário