28/06/2012 - Apressada, Prefeitura entrega casas populares com irregularidades

 

A Prefeitura de Juina, no noroeste de Mato Grosso, entregou no ultimo sábado 60 casas populares. Um feito que deveria estar sendo comemorado não fosse um detalhe fundamental: a pressa para fazer a entrega da obra e, com isso, fugir das regras eleitorais. O resultado é revoltante: a baixa qualidade e tanta que se leva ao linguajar popular: "serviço de porco".  Dona Roselma de Souza, mãe de três filhos, é uma das que denunciaram  o descaso e a baixa qualidade da obra. Agora as famílias têm 10 dias para ocupar a residência. Mas segundo a dona de casa, a situação das moradias preocupante.
 
“O prefeito disse na entrega da chave que as casas estavam perfeitas para morar. Ele até tirou um ‘sarrinho’ assim, vocês podem levar um pano e uma vassoura para varrer e entrar na casa, mas quando entrei nela, fiquei decepcionada”, contou.
 
A moradora encontrou a tampa da fossa e os canos de água estourados. A madeira da cobertura é preocupante, pois esta toda remendada. As paredes das residências não são rebocadas e estão cheias de buracos. “Veja bem, se uma casa dessa aí desmoronar, quem vai trazer a vida dos meus filhos? Então para o prefeito mostrar que esta fazendo benefício, que então faça uma coisa decente. Agora eles vão culpar a empreiteira, mas na hora de entregar a casa, foram eles que estiveram lá e não a empreiteira”, desabafou.
 
A denúncia repercutiu e os vereadores do município estão apurando os fatos. Nesta terça-feira, 25, o presidente da Comissão de Obras Públicas da Câmara, vereador Robson Amorim Machado, visitou as construções e apontou uma série de problemas.
 
“As casas não estão acabadas e com madeiramento encostado nas vigas centrais, mangueiras quebradas, não tem reboco nas paredes nem interna e nem externo e não têm portas dentro da casa, o que nos deixa preocupado da forma que foi entregue, pois nem a limpeza da área foi feita. Vou me informar sobre o contrato da empreiteira e tomar as devidas providências”, destacou.
 
O secretário de Planejamento Luís Braz de Lima explicou que o projeto das casas populares faz parte do programa federal “Minha Casa, Minha Vida”, executado pelo Banco Paulista que fez a licitação da obra. “A empresa ainda continua na cidade e qualquer problema que tiver dentro da casa, a empresa será acionada, pois ela tem responsabilidade por cinco anos pelas obras”, garantiu.
 
Em maio deste ano, outras 100 unidades foram entregues no município por outro programa. Os moradores também reclamaram do projeto que se quer, contemplava as residências com reboco nas paredes.
 
Desta vez, a Prefeitura apressou à empreiteira, pois o processo eleitoral não permite a entrega de obras a partir do dia 07 de julho (Lei nº 9.504/1997).
 
Ivan Pereira | de Juina

 


 

 


 

Comentários

Data: 28/06/2012

De: populacao

Assunto: saber O COMTO SAO IMRESPOMSAVEIS

ISSO E BOM PRA POPULACAO

Data: 28/06/2012

De: sao felix do araguaia

Assunto: casas popular

ta bom e as de sao felia que ate agora nada

Novo comentário